Pular para o conteúdo principal

O que você faz em casa, você pode fazer no jardim?

O sol é para todos/Graphic Novel/Harper Lee/Fred Fordham/José Olympio

Essa cena da Scout com a srta. Maudie me lembra duas coisas: uma música do HG/Engenheiros (do Hawaii); algumas pessoas que conheço. Pode sentar. Lá vem textão. Sobre assédio moral no trabalho.

 

Se eu pudesse aposentar por quantidade de vezes que sofri assédio moral no trabalho, eu já teria aposentado há muito tempo... Pode calcular. Comecei trabalhar aos 13. Hoje tenho 39.

 

Ocorre que estou num rolê comigo mesma, de tentar deixar esse tipo de gente pra trás. Mas é difícil... bem difícil... sabe por quê? Porque meus assediadores (homens e mulheres, que fique claro) não podem fazer no jardim o que fazem dentro de casa e, creio eu, esse é um dos motivos de descredibilização da vítima (odeio essa palavra). Hoje há uma luta dentro de mim pra esquecer o que rolou e provar que não sou doida/mentirosa... provar que tenho caráter e tenho motivos de me sentir tão fragilizada. Porque assim... eu não quero que as pessoas em comum rompam laços com esses assediadores... só quero/preciso que minha palavra tenha crédito, apesar da boa aparência que essas pessoas carregam.

 

Tenho pensado muito sobre isso... sobre arrancar essa angústia do meu coração e, também, me sentindo muito idiota por ainda me deixar ser afetada por essa gente... aí hoje, enquanto fazia um nigucim pra comer, me veio uma luz (minha terapeuta ficará orgulhosa): eu tô assim, não é por carregar a mágoa dessa gente, é por querer fazer com que uma ou outra pessoa acredite em mim!

 

“Te demiti porque eu queria dar em cima de você!”

“Puxa saco é você, sua piranha!”

“Vai ter dia que você vai ficar sem almoçar? Vai!”

“SARA! EU TÔ FALANDO, SARA!”

“CÊ TÁ DOIDA, SARA! ISSO NÃO EXISTE!”

 

Para além disso, o tom de voz, o negrito, a caixa alta, o olhar, aquele obrigado (bem por obrigação)... Tive um chefe que jogou um vade mecum (aqueles livros do curso de direito que pesam uma tonelada, sabe?) em cima da ilha (aqueles móveis da Leitura, onde expõem livros) e por pouco não acertou minha mão.

 

É horrível tentar fazer sua palavra ter validade, quando seu assediador (homem/mulher) tem uma máscara de boa pessoa. O que mais ouço/ouvi: “Mas eu gosto tanto del@! Não acredito que el@ fez isso!”. Essas pessoas, que não são reais fora de casa, é que invalidam depoimentos de vítimas de assédio moral, assédio sexual, de estupro...

Eu tive o privilégio e a sorte de dizer chega pro meu último assediador (homem), mas muita gente não tem. Eu não tive... por muitos anos...

 

Assédio moral não é “só” grito, “só” palavrão e/ou xingamento. O assédio moral é o que ofende... é o que você faz pra ofender, porque você não presta! Assim como capitalismo não é só dinheiro!

“Bichos escrotos, saiam do esgoto!”

 

Ps¹: Não pedi revisão desse texto... e sinto muito se estou voltando pro blog com um assunto desses, mas essa cena da Scout está na minha cabeça há muito tempo... desde antes de eu dizer “Chega!”.

Ps²: Estou bem... e espero que você também esteja querido leitor! 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Proibido aos elefantes (Elefantinhos do mundo, uni-vos!)

Ensinar sobre inclusão às crianças não deve ser tarefa fácil mas, ainda mais difícil, penso eu, seja ensinar aos adultos já incutidos de preconceitos (e pré-conceitos) a lidar respeitosamente com o que é diferente pra eles. Para amenizar essas dificuldades, os livros (Sempre os livros!) são ferramentas incríveis e imprescindíveis!   Como já disse aqui outras vezes , gosto sempre de destacar a transparência e a coragem com que algumas editoras trabalham. Neste texto falarei de um livro infantil, publicado pela (super competente) Trioleca Casa Editorial .   O livro Proibido aos elefantes , assim como outras publicações da Trioleca , é uma ferramenta sensível, acolhedora e de fácil utilização para abordar temas como inclusão, amizade, medo, diferença, exclusão, solidariedade e solidão (Ficou uma listinha meio grande, mas é necessário. Eu não poderia deixar algum item desses de fora.).   Nessa história linda, escrita por Lisa Mantchev , o protagonista sente certa dificuldade em

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a