Pular para o conteúdo principal

Alice viaja nas histórias (Muitas histórias!)


Acho muito importante esse movimento, que autores e editoras fazem, com as releituras de contos de fadas que foram popularizados pela Disney. Abordei um pouco sobre esse assunto no texto sobre o (maravilhoso) Lute como uma princesa e volto a fazê-lo, porque a literatura infantil e infantojuvenil, em minha opinião, precisa sair do óbvio! E sim, nosso mercado editorial/livreiro está preparado para isto, com publicações nacionais e também com publicações traduzidas.

E essa minha “militância” toda foi pra começar a falar do Alice viaja nas histórias, que é uma publicação originalmente italiana, publicada no Brasil pela Editora Biruta e que, em 2019, esteve em sua 9ª reimpressão!
O autor Gianni Rodari e a ilustradora Anna Laura Cantone (Ambos mundialmente premiados!) se inspiraram não só na Alice, mas também em outros personagens de fábulas e contos de fadas para produção dessa publicação tão única!

O livro conta a história da personagem Alice que, entediada pela chuva, é “obrigada” a pegar um livro velho pra ler, mas durante a leitura cai “dentro do livro de cabeça e tudo” (O que me lembrou a outra Alice... Aquela do País das Maravilhas...) Coincidência ou não, Alice caiu na página ocupada pela história de Aurora (Aquela, a Adormecida!), e fez um barulhão, destruindo o sono e os sonhos encantados dessa princesa, porque a acordou fora de hora!
Sempre desajeitada, Alice foi caindo e desajeitando outros contos de fadas e fábulas, até ser jogada para fora do livro que estava lendo e, mesmo sem chuva, perceber a importância da leitura.

O Alice viaja nas histórias é um livro curtinho, com texto em caixa alta e muito lúdico! A fluidez do texto, produzido com rimas e prosas muito criativas, auxilia a diagramação dinâmica (O leitor precisará tirar o livro da posição tradicional para ler algumas páginas.) e a ilustração sutilmente interativa. É uma publicação que estimula a percepção e a importância da leitura e do livro mas, para isto, o intermediador da leitura precisa interagir com o pequeno leitor, porque é necessário que a criança perceba como o livro pode ser um passatempo precioso em dias chuvosos e tediosos, por exemplo. Mas o autor e a ilustradora não escancaram isso... É sutil, sensível e inteligente!
 
Não conheço o processo de feitura desse livro maravilhoso, mas, além dos benefícios para a criança, veja bem quantos benefícios essa publicação curtinha e deliciosa pode trazer à família e à escola: interatividade, aproximação, estímulo de criação, desejo pela leitura... Não se trata apenas de uma “releitura” de contos de fadas e fábulas, mas também de uma abordagem prática e produtiva desses gêneros popularizados e tomados para outros propósitos há muitas décadas!

Um livro dedicado a incutir no jovem leitor o apreço e o carinho pelo livro. Facilmente pode ser considerada uma leitura necessária para as crianças, os adultos, os docentes e para nós, “reles” leitores, que queremos apenas nos divertir a cada nova virada de página!

Ficha técnica
Título original: Alice nelle figure
Título brasileiro: Alice viaja nas histórias
Autor: Gianni Rodari
Tradução: Denise Mattos Marino e Silvana Cobucci Leite
Ilustrações: Anna Laura Cantone


Este texto foi revisado por Lorena Almeida.

Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

a bruxa e o espantalho (Que belezura!)

Costumo dizer que investir em um livro de imagem é uma excelente ideia, porque esse tipo de livro é infinito. Principalmente se o leitor for uma criança, porque a cada vez que a história for lida pela criança ou contada pra ela, a história será recebida por uma perspectiva diferente. Mais ou menos como quando relemos um livro e, após cada releitura, fazemos uma interpretação diferente dele. A bruxa e o espantalho é um livro de imagem, com capa dura, relativamente barato, traz as espetaculares ilustrações do artista mexicano Gabriel Pacheco  e que foi  publicado no Brasil pela Editora Jujuba .  As ilustrações de Gabriel Pacheco narram a história de uma bruxa que voava em “bando” com outras bruxas (Assim como as aves!) utilizando seu monociclo, enquanto as outras bruxas utilizavam suas vassouras. Mas em algum momento da viagem, essa bruxa diferentona se distrai com um passarinho, cai do seu meio de transporte diferentão e, além de ser duramente criticada, é excluída do bando

Dado Villa-Lobos: memórias de um legionário

Como parte da introdução deste texto preciso (e quero) muito ressaltar, que a trajetória de vida do Dado é bem colocada nessa publicação . S uas experiências na infância e na adolescência são muito bem narradas por seus biógrafos! A história dele com a música, desde a herança familiar até os dias atuais, foi/é feita e contada com muito amor, dedicação e verdade! É como se a imagem que eu tinha do Dado Villa-Lobos tivesse sido ampliada depois de ter lido o livro. * O texto da apresentação do livro Dado Villa Lobos: memórias de um legionário me deu conta de como Dado (Serei íntima, ok?!) decidiu publicar o livro, e me arrancou lágrimas porque, pra mim, a admiração de um fã por um ídolo é um sentimento (quase) irrepreensível e extremamente admirável! E quando esse fã se torna um dos biógrafos de seu ídolo... ai... ai... que coisa mais linda! Através de seus biógrafos, Felipe Demier e Romulo Mattos, Dado fala com muita clareza sobre momentos musicais que não tive a oport