Pular para o conteúdo principal

Lute como uma princesa



Conhece aquela expressão “Meu sonho de princesa”? Pois bem! Depois de ler o incrível, poderoso, lindo e libertador Lute como uma princesa, quero usar essa expressão o tempo todo! Porque agora sim, meus sonhos são parecidos com a vida das princesas dos contos de fadas! Vita Murrow e Julia Bereciartu, respectivamente autora e ilustradora dessa publicação maravilhosa que, no Brasil foi lançada pela Boitatá, teve o inesperado poder de me fazer querer ser uma princesa!

A autora e a ilustradora fazem releituras de muitos contos de fadas que foram adaptados pela Disney (é importante ressaltar que esses contos de fadas não foram criados pelo Todo Poderoso Walt Disney) e que moldam inúmeras sociedades para que elas se adequem a padrões comportamentais. Esse livro apresenta ao leitor várias das histórias infantis mais famosas no mundo, mas que, desta vez, estão compostas por personagens orientais, negros, pobres, homossexuais, cegos, ruivos, loiros, brancos... É tanta diversidade e inclusão em um livro direcionado para o público infantojuvenil, que eu nem soube lidar com a emoção que brotou em meu coração. Consegui me identificar com cada uma das princesas apresentadas nessa obra literária!

São histórias incríveis com abordagens de assuntos como diferença, inclusão, homossexualidade, adoção, medo... Enfim, todos os temas estão expostos nesse livro de maneira lúdica, mas completamente condizente com o mundo real, e com o intuito de fazer com que um mundo melhor e mais acolhedor para todos seja criado. Temas tão merecedores de discussão entre os mais jovens (E por que não entre os mais velhos?), mas tão pouco abordados em casa, na escola, na rua... (“na chuva, na fazenda ou numa casinha de sapê” [Brincadeira!])

Logo de cara, me identifiquei com o figurino da Belle (A Bela e a Fera), que além de estilosa é corajosa e passou a fazer parte da corporação da Polícia do Reino como investigadora, depois de toda sua história com a temida (Cof! Cof!) Fera - sobre empatia, egoísmo, coragem e aparência/padrões de beleza!

- Porém, antes, gostaria de confrontar essa ‘fada’ de quem você está falando. [...]

Saindo do reino terrestre para os reinos aquáticos, Marisha, A Pequena Sereia, mesmo contra a vontade de seu pai, o Rei dos Mares - que repudia humanos -, trava uma batalha em favor da limpeza dos oceanos junto com a princesa humana Melodia, e se torna engenheira ambiental. Essa história termina com um casamento incrível, que só coloca à prova todo o tipo de preconceito contra a mulher, que foi/é alimentado durante milênios!

Quando chegaram à fábrica, a sereia começou a encaixar as peças do quebra-cabeças: lá eram produzidas mercadorias maravilhosas que enriqueciam o palácio, porém todo o lixo que geravam era jogado no mar.

E quem não lembra do grito: “Jogue suas tranças, Rapunzel!”?
Rapunzel que, desde criança, “construía cabanas com árvores e folhas onde podia brincar” e empilhava coisas quando era obrigada pelo inverno, a ficar dentro de casa, se tornou aprendiz da feiticeira Gotel, após completar a maior idade. Mal sabia ela, que a torre alta onde morava e pela qual Gotel tinha que subir escalando, revelaria uma profissão bem diferente de feiticeira (mas não sem feitiçaria): Rapunzel fundaria uma empresa de arquitetura em parceria com Estácio, um príncipe com deficiência visual. A arquiteta criou projetos para o reino do Gato de Botas, o projeto da biblioteca pública de Aurora, entre tantos outros! A descoberta do nome da empresa deixarei por conta da sua leitura do livro, assim como a informação sobre o casamento (ou não) desses dois personagens incríveis que têm as histórias baseadas na inclusão e no empoderamento!

- Você é uma arquiteta totalmente excepcional e mágica! – falou ele. [O príncipe Estácio.]

E com esses contextos e essas abordagens maravilhosos, o livro Lute como uma princesafoi publicado! O projeto gráfico é lindo: com 2ª e 4ª capas maravilhosamente ilustradas; e a diagramação ficou incrível, porque está harmonizada com a ilustração. Senti falta de orelha (Sim. Eu sei que encareceria o livro!) e do colofão tradicional, com o qual a Boitatá/Boitempo sempre presenteia o leitor. É um livro bem editado, revisado e bem feito, como já é o costume desse grupo editorial (Não é publieditorial! Juro que paguei por meu exemplar!)!

O Lute como uma princesa é o tipo de livro que precisa ser adotado/utilizado no processo pedagógico das escolas, mas não o será na maioria delas, sabe por quê? Porque a maioria do corpo docente das escolas é retrógrado, preguiçoso e ganancioso! Se a escola de seu filho/filha e/ou a escola que você administra foge desse estereótipo, peça ao divulgador de sua cidade um exemplar para análise! Tenho certeza de que esse livro não vai parar na prateleira de qualquer biblioteca, e fará com que pais e alunos sejam seres humanos melhores!


Ainda em tempo, quero e preciso ressaltar que, em meu entendimento, os contos de fadas comerciais/tradicionais não são ruins, mas não podem ser a única forma de representatividade da vida real para as meninas/mulheres e meninos/homens! E é isso que o texto de Vita Murrow e as ilustrações de Julia Bereciartu nos trazem: representatividade real, sem as letras miúdas que as imposições da vida costumam trazer.

Ficha técnica
Título original: Power to the princess
Título brasileiro: Lute como uma princesa
Autor: Vita Murrow
Tradução: Daniela Gutreund
Ilustrações: Julia Bereciartu

Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

a bruxa e o espantalho (Que belezura!)

Costumo dizer que investir em um livro de imagem é uma excelente ideia, porque esse tipo de livro é infinito. Principalmente se o leitor for uma criança, porque a cada vez que a história for lida pela criança ou contada pra ela, a história será recebida por uma perspectiva diferente. Mais ou menos como quando relemos um livro e, após cada releitura, fazemos uma interpretação diferente dele. A bruxa e o espantalho é um livro de imagem, com capa dura, relativamente barato, traz as espetaculares ilustrações do artista mexicano Gabriel Pacheco  e que foi  publicado no Brasil pela Editora Jujuba .  As ilustrações de Gabriel Pacheco narram a história de uma bruxa que voava em “bando” com outras bruxas (Assim como as aves!) utilizando seu monociclo, enquanto as outras bruxas utilizavam suas vassouras. Mas em algum momento da viagem, essa bruxa diferentona se distrai com um passarinho, cai do seu meio de transporte diferentão e, além de ser duramente criticada, é excluída do bando

Dado Villa-Lobos: memórias de um legionário

Como parte da introdução deste texto preciso (e quero) muito ressaltar, que a trajetória de vida do Dado é bem colocada nessa publicação . S uas experiências na infância e na adolescência são muito bem narradas por seus biógrafos! A história dele com a música, desde a herança familiar até os dias atuais, foi/é feita e contada com muito amor, dedicação e verdade! É como se a imagem que eu tinha do Dado Villa-Lobos tivesse sido ampliada depois de ter lido o livro. * O texto da apresentação do livro Dado Villa Lobos: memórias de um legionário me deu conta de como Dado (Serei íntima, ok?!) decidiu publicar o livro, e me arrancou lágrimas porque, pra mim, a admiração de um fã por um ídolo é um sentimento (quase) irrepreensível e extremamente admirável! E quando esse fã se torna um dos biógrafos de seu ídolo... ai... ai... que coisa mais linda! Através de seus biógrafos, Felipe Demier e Romulo Mattos, Dado fala com muita clareza sobre momentos musicais que não tive a oport