Pular para o conteúdo principal

Lute como uma princesa



Conhece aquela expressão “Meu sonho de princesa”? Pois bem! Depois de ler o incrível, poderoso, lindo e libertador Lute como uma princesa, quero usar essa expressão o tempo todo! Porque agora sim, meus sonhos são parecidos com a vida das princesas dos contos de fadas! Vita Murrow e Julia Bereciartu, respectivamente autora e ilustradora dessa publicação maravilhosa que, no Brasil foi lançada pela Boitatá, teve o inesperado poder de me fazer querer ser uma princesa!

A autora e a ilustradora fazem releituras de muitos contos de fadas que foram adaptados pela Disney (é importante ressaltar que esses contos de fadas não foram criados pelo Todo Poderoso Walt Disney) e que moldam inúmeras sociedades para que elas se adequem a padrões comportamentais. Esse livro apresenta ao leitor várias das histórias infantis mais famosas no mundo, mas que, desta vez, estão compostas por personagens orientais, negros, pobres, homossexuais, cegos, ruivos, loiros, brancos... É tanta diversidade e inclusão em um livro direcionado para o público infantojuvenil, que eu nem soube lidar com a emoção que brotou em meu coração. Consegui me identificar com cada uma das princesas apresentadas nessa obra literária!

São histórias incríveis com abordagens de assuntos como diferença, inclusão, homossexualidade, adoção, medo... Enfim, todos os temas estão expostos nesse livro de maneira lúdica, mas completamente condizente com o mundo real, e com o intuito de fazer com que um mundo melhor e mais acolhedor para todos seja criado. Temas tão merecedores de discussão entre os mais jovens (E por que não entre os mais velhos?), mas tão pouco abordados em casa, na escola, na rua... (“na chuva, na fazenda ou numa casinha de sapê” [Brincadeira!])

Logo de cara, me identifiquei com o figurino da Belle (A Bela e a Fera), que além de estilosa é corajosa e passou a fazer parte da corporação da Polícia do Reino como investigadora, depois de toda sua história com a temida (Cof! Cof!) Fera - sobre empatia, egoísmo, coragem e aparência/padrões de beleza!

- Porém, antes, gostaria de confrontar essa ‘fada’ de quem você está falando. [...]

Saindo do reino terrestre para os reinos aquáticos, Marisha, A Pequena Sereia, mesmo contra a vontade de seu pai, o Rei dos Mares - que repudia humanos -, trava uma batalha em favor da limpeza dos oceanos junto com a princesa humana Melodia, e se torna engenheira ambiental. Essa história termina com um casamento incrível, que só coloca à prova todo o tipo de preconceito contra a mulher, que foi/é alimentado durante milênios!

Quando chegaram à fábrica, a sereia começou a encaixar as peças do quebra-cabeças: lá eram produzidas mercadorias maravilhosas que enriqueciam o palácio, porém todo o lixo que geravam era jogado no mar.

E quem não lembra do grito: “Jogue suas tranças, Rapunzel!”?
Rapunzel que, desde criança, “construía cabanas com árvores e folhas onde podia brincar” e empilhava coisas quando era obrigada pelo inverno, a ficar dentro de casa, se tornou aprendiz da feiticeira Gotel, após completar a maior idade. Mal sabia ela, que a torre alta onde morava e pela qual Gotel tinha que subir escalando, revelaria uma profissão bem diferente de feiticeira (mas não sem feitiçaria): Rapunzel fundaria uma empresa de arquitetura em parceria com Estácio, um príncipe com deficiência visual. A arquiteta criou projetos para o reino do Gato de Botas, o projeto da biblioteca pública de Aurora, entre tantos outros! A descoberta do nome da empresa deixarei por conta da sua leitura do livro, assim como a informação sobre o casamento (ou não) desses dois personagens incríveis que têm as histórias baseadas na inclusão e no empoderamento!

- Você é uma arquiteta totalmente excepcional e mágica! – falou ele. [O príncipe Estácio.]

E com esses contextos e essas abordagens maravilhosos, o livro Lute como uma princesafoi publicado! O projeto gráfico é lindo: com 2ª e 4ª capas maravilhosamente ilustradas; e a diagramação ficou incrível, porque está harmonizada com a ilustração. Senti falta de orelha (Sim. Eu sei que encareceria o livro!) e do colofão tradicional, com o qual a Boitatá/Boitempo sempre presenteia o leitor. É um livro bem editado, revisado e bem feito, como já é o costume desse grupo editorial (Não é publieditorial! Juro que paguei por meu exemplar!)!

O Lute como uma princesa é o tipo de livro que precisa ser adotado/utilizado no processo pedagógico das escolas, mas não o será na maioria delas, sabe por quê? Porque a maioria do corpo docente das escolas é retrógrado, preguiçoso e ganancioso! Se a escola de seu filho/filha e/ou a escola que você administra foge desse estereótipo, peça ao divulgador de sua cidade um exemplar para análise! Tenho certeza de que esse livro não vai parar na prateleira de qualquer biblioteca, e fará com que pais e alunos sejam seres humanos melhores!


Ainda em tempo, quero e preciso ressaltar que, em meu entendimento, os contos de fadas comerciais/tradicionais não são ruins, mas não podem ser a única forma de representatividade da vida real para as meninas/mulheres e meninos/homens! E é isso que o texto de Vita Murrow e as ilustrações de Julia Bereciartu nos trazem: representatividade real, sem as letras miúdas que as imposições da vida costumam trazer.

Ficha técnica
Título original: Power to the princess
Título brasileiro: Lute como uma princesa
Autor: Vita Murrow
Tradução: Daniela Gutreund
Ilustrações: Julia Bereciartu

Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Proibido aos elefantes (Elefantinhos do mundo, uni-vos!)

Ensinar sobre inclusão às crianças não deve ser tarefa fácil mas, ainda mais difícil, penso eu, seja ensinar aos adultos já incutidos de preconceitos (e pré-conceitos) a lidar respeitosamente com o que é diferente pra eles. Para amenizar essas dificuldades, os livros (Sempre os livros!) são ferramentas incríveis e imprescindíveis!   Como já disse aqui outras vezes , gosto sempre de destacar a transparência e a coragem com que algumas editoras trabalham. Neste texto falarei de um livro infantil, publicado pela (super competente) Trioleca Casa Editorial .   O livro Proibido aos elefantes , assim como outras publicações da Trioleca , é uma ferramenta sensível, acolhedora e de fácil utilização para abordar temas como inclusão, amizade, medo, diferença, exclusão, solidariedade e solidão (Ficou uma listinha meio grande, mas é necessário. Eu não poderia deixar algum item desses de fora.).   Nessa história linda, escrita por Lisa Mantchev , o protagonista sente certa dificuldade em

Três é demais (Será?!)

Conheci o João Marcos , autor do novo livro da Abacatte Editorial, Três é demais , no FIQ de 2018 (Festival Internacional de Quadrinhos). Ele estava autografando seus livros com o Mendê e a Tê e também desenhando outros personagens muito maravilhosos no flip chart . Fiquei encantada por saber que aqueles traços tão fortes saíram das mãos de alguém tão gentil como o João!   Com o prefácio lindamente escrito pelos irmãos Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi , o talentoso quadrinista João Marcos lança o muito divertido Três é demais - que com certeza fará muito sucesso nas bibliotecas particulares e, também, abalará as estruturas das bibliotecas escolares: história em quadrinhos, caixa alta, poucas páginas, formato gráfico excelente e miolo impresso em papel resistente.   *   Usando e abusando da criatividade dos personagens Mendelévio e Telúria, para abordar temas do cotidiano infantil, causando grande confusão na vida dos dois irmãos, o quadrinista me divertiu com seu texto e sua i

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg