Pular para o conteúdo principal

A distância até a cerejeira


Ótimo Turcaret é o nome do gatinho e amigo de Mafalda, a personagem principal e narradora do emocionante livro A distância até a cerejeira. Quando vi esse livro pela primeira vez, fiquei bem apaixonada por ele logo de cara, por conta do título e da singeleza das capas. Demorei meses até saber do que se tratava, porque não gosto de ler sinopse antes de ler o livro... fico com medo de que isso facilite minha vida durante a leitura.

Nesse caso, novamente, fiz muito bem! Obrigada!

Com seu primeiro romance, Paola Peretti me envolveu completamente na história de Mafalda. Antes mesmo que eu começasse a ler o segundo capítulo, a autora, italiana, conseguiu fazer com que eu me entregasse ao universo de Mafalda, tão restrito e sensível. Os capítulos são compostos por textos leves e acolhedores, e é surpreendentemente bom como as linhas de raciocínio de Mafalda, em todos os âmbitos, são expostas e descritas sem pedantismo e/ou monotonia.

Mafalda é uma criança de 9 anos, estudante do quarto ano e portadora da doença de Stargardt - até o ano de 2019 a cura não havia sido descoberta -, que deixa a pessoa cega gradativamente. Na história Mafalda é consciente de sua cegueira completa e futura, e utiliza a cerejeira do pátio de sua escola para saber como a doença está evoluindo: quanto mais perto ela precisa chegar para enxergar a cerejeira, mais a doença está avançada. Foi muito importante essa percepção pra mim, como leitora, porque a cerejeira é que dá todo sentido às esperanças e ações personagem principal, para quem os ambientes familiar e escolar são muito presentes.

É na escola, depois de muitas confusões tentando fazer parte de alguns grupos - como o time de futebol dos meninos, por exemplo – que a narradora-personagem mais desenvolve suas ações e histórias. Não entendo muito de crianças, mas acredito que seja normal, na idade de Mafalda, essa busca por aceitação e pertencimento; e essas buscas são muito bem explicitadas pela autora que como eu disse, sempre usa a cerejeira como cenário principal: é pra essa cerejeira que ela intenta fugir antes de ficar totalmente cega, fala com sua avó que já foi morar no tronco (Não. Não vou explicar! Leia o livro!), aprende quando é que a luta acaba (A luta acaba?), a fazer lista do que pode fazer e não do que não pode fazer... e tantas outras coisas incríveis... e lindas...

Além das questões sobre aceitação e pertencimento, Paola Peretti descreve com muita delicadeza, força e precisão, os autoquestionamentos feitos por Mafalda, que para se proteger e proteger os pais, tenta omitir a evolução da doença... digamos que essa proteção causa a ela alguns transtornos e a torna um pouco precipitada e rebelde. Mas todas essas aventuras e esses aprendizados são narrados com muita criatividade e sensibilidade.

A autora iniciou sua carreira de escritora com um livro magnífico, que deve ser altamente divulgado no ambiente escolar para que as diferenças sejam tratadas de forma mais abrangente e humana. Apesar de a ficha catalográfica indicar o gênero Literatura infantojuvenil, é imprescindível que adultos também leiam essa história, porque ela ajuda a ensinar como usar o coração como olhos, quando a escuridão (ameaçar) cegar.

Esse livro é um primor de publicação! Cheio de sensibilidade, bem revisado e bem diagramado; a paleta de cores das capas é magnífica (E tem orelhas! A segunda orelha me fez entender onde Peretti buscou tanta sensibilidade.) e as ilustrações do miolo são tão bem cuidadas que, em minha opinião, mereciam a mesma paleta de cores que a Editora Planeta usou nas capas. Também gostei muito das divisões do livro (partes e capítulos): os títulos das partes, deram um norte sobre como a doença evolui e me preparou para as emoções das próximas páginas; já os títulos dos capítulos, apesar de serem levemente subjetivos, são muito intrigantes, e com a evolução da leitura é muito fácil perceber porque esses títulos foram escolhidos.


A distância até a cerejeira com certeza está entre os livros que tocam meu coração e me fazem pensar sobre “a vida, o universo e tudo o mais” - Não usarei o passado, porque um livro sempre me causa alguma reação/mudança!

Ficha técnica
Título original: La Distanza tra Me e il Ciliegio
Título brasileiro: A distância até a cerejeira
Autor: Paola Peretti
Tradução: Flavia Baggio
Ilustrações de capa e miolo: Carolina Rabei

Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg

A praia dos inúteis (Que inutilidade útil!)

Mais um texto sobre um livro da Editora Biruta que, com certeza, precisa habitar, também, as prateleiras das bibliotecas escolares. No livro que esse texto aborda, há uma luta, quase subliminar, a favor das ciências das artes e do respeito ao Outro. Há nele também, uma abordagem direta sobre permitir que o   Outro seja quem ele é... não menos importante, o autor, Alex Nogués , traz em seu texto questionamentos sobre a diferença entre custo e valor. Por sua vez, a ilustradora Bea Enríquez , presenteia o leitor com seu belíssimo trabalho (Originalmente em aquarela? Acho que é!) que, como diria minha avó, “faz pareio” com a belíssima narrativa, principalmente ao traduzir a personalidade de Sofia! Adulto, querido, leia o brilhante A praia dos inúteis , e o faça antes de destiná-lo à sua criança! Você merece isso!   *   A Sofia, caro leitor, é uma personagem adorável, que te faz querer parar e pensar sobre a vida da maneira mais leve possível! Ela tem onze anos e meio e, em uma de