Pular para o conteúdo principal

Minha vida na França

Não me lembro em que dia da quarentena comecei a ler Minha vida na França, mas lembro de pegá-lo, porque o livro que li antes dele era denso e foi como se eu tivesse levado uma pancada na cabeça; então quis ler um livro leve, gostoso e apaziguador. Escolhi o livro da Julia Child, porque já tinha lido o Julie e Julia (Julie Powell; Record; 2019) e também assistido ao filme, de mesmo nome. Mas gente, não sei o que é melhor: uma pancada na cabeça ou uma pancada no coração.

A (auto) biografia dessa mulher incrível, que revolucionou a culinária norte-americana é, no mínimo, acolhedora. E neste post, vou me ater a comentários pessoais sobre essa experiência de leitura porque, sinceramente, não tenho vontade de mencionar edição, estrutura textual ou qualquer outro item relacionado à tecnicidade editorial. Minha pretensão, é compartilhar com quem acompanha esse blog literário, o que meu coração sentiu com a força de uma mulher maravilhosa, que aprendeu como se reinventar e como a persistência e a fé em si mesma pode mudar a vida de forma radical e doce.

Julia (que trabalhou para o serviço de Operações Especiais [OSS] durante a II Guerra Mundial) chegou, pela primeira vez, à Paris em 1948 com seu marido, Paul Child – diplomata norte-americano que trabalhava pelo Serviço de Informações dos Estados Unidos (USIS) - e toda a mudança deles, porque Paul havia sido transferido naquele ano. Boa parte das histórias narradas no livro aconteceram durante o tempo em que esse casal (maravilhoso) morava na França. Julia, uma mulher à frente de seu tempo, diz que nunca havia se sentido atraída pelo fogão, mas quando se viu ociosa em uma cidade como Paris e em uma época em que as mulheres estadunidenses “sofriam” do que a psicóloga Betty Friedan chama de A mística feminina, foi através da culinária que ela conseguiu se reinventar e amadurecer emocional e profissionalmente,

Decidida a não se entregar à ociosidade e ao que considerava frívolo, Child se matriculou na École du Cordon Bleu, onde, teoricamente, sua história com a culinária começou. Digo teoricamente, porque as descrições que Julia Child faz das experiências gastronômicas que ela tem com Paul, desde o primeiro dia deles na França, me deixaram com água na boca, e seu amor por essa cidade também me impressionou muito (além de ter enchido meu coração de esperanças)!
Contrastando com o que sentia por ela, um sentimento de pura felicidade me invadia toda vez que eu olhava pela janela. Cheguei à conclusão de que eu deveria ser francesa, só que ninguém jamais me informou sobre este fato.
Também através de sua história com a culinária, Julia Child faz duras críticas à indústria alimentícia estadunidense - o que me fez lembrar muito da Rita Lobo e seus livros incríveis para quem quer se alimentar bem e fazer economia -, quando começa a escrever o primeiro volume do livro Mastering the Art of French Cooking (1961) em parceria com suas amigas Louisette Bertoulle e Simone Beck, com quem também ensinou culinária em aulas particulares. A ideia principal do livro era ensinar culinária francesa à mulher estadunidense que não tinha empregada e que não possuía acesso aos ingredientes franceses, mas sim, aos produtos que lotavam as prateleiras dos supermercados norte-americanos:
[...] produtos que os rótulos anunciavam como ‘gourmet’, mas que não eram: caixas de misturas para fazer bolo, jantares prontos, legumes congelados, cogumelos enlatados, peixe empanado [...] e muitas outras dessas porcarias revoltantes.
Enveredando por esses aspectos, Child narra com muita graciosidade como foi o árduo processo de feitura de um livro de culinária honesto – desde a decisão de fazê-lo até à fase final (Existe fase final de um livro? EU acho que não!). É muito impressionante, pra mim, saber que a disseminação da alimentação industrializada/(multi)processada perdura até hoje, e como as populações não entendem o valor de se preparar a própria comida! Preciso dizer, que essa minha conscientização, foi iniciada pelas “aulas” e pelos livros de Rita Lobo, e reforçada pela autobiografia de Julia Child.

Dito isto, e tentando não me alongar ainda mais, quero enfatizar como Julia me pareceu passear pela vida como se fosse um grande baile: com muita comida deliciosa, música boa e grandes amizades! A forma como ela sobrevive às adversidades e como ela faz da culinária o seu bote salva-vidas, me fez pensar na forma com a qual uso os livros como trampolim para mudanças (muito maiores) na minha vida pessoal e profissional. São descrições muito doces e parecem ter sido tiradas do fundo do coração de Child. Houve momentos em que eu poderia visualizá-la sentada, com o sol da manhã em seu rosto enquanto ela relembrava dos momentos incríveis que viveu intensamente! Recomendo a leitura dessa biografia, não “apenas” pela história, que é por si só maravilhosa de ler, mas também pela esperança e força que essa narrativa despertou em meu coração.
Mas ela [cidade de Marselha] me deu a impressão de ser um caldo espesso feito de vida vigorosa, emocional, desinibida, uma verdadeira ‘bouillabaisse’ urbana, como disse Paul.

“Minha vida na França” é muito mais que um livro sobre a história de uma grande mulher! Ele é também um livro sobre reinvenção, amizade e autoconhecimento. É possível que essa pandemia horrível pela qual estamos passando (escrevi este texto na véspera de minha volta ao trabalho, em meio à quarentena) tenha potencializado todos esses meus pensamentos/sentimentos; e se for isto, ainda assim me sinto feliz por ter sido tocada dessa maneira por um livro, porque o livro, pra mim, é como a culinária para Julia Child e para Rita Lobo: “objeto” de transformação!

Ps¹: se for pra ter um casamento como o de Julia e Paul Child, podem me arranjar um marido agora!
Ps²: o acervo fotográfico que o livro traz só aumentou a minha satisfação como leitora!

Ficha técnica
Título original: My life in France
Título brasileiro: Minha vida na França
Autor: Julia Child com Alex Prud'homme
Tradução: Celina C. Falck-Cook


Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg

A praia dos inúteis (Que inutilidade útil!)

Mais um texto sobre um livro da Editora Biruta que, com certeza, precisa habitar, também, as prateleiras das bibliotecas escolares. No livro que esse texto aborda, há uma luta, quase subliminar, a favor das ciências das artes e do respeito ao Outro. Há nele também, uma abordagem direta sobre permitir que o   Outro seja quem ele é... não menos importante, o autor, Alex Nogués , traz em seu texto questionamentos sobre a diferença entre custo e valor. Por sua vez, a ilustradora Bea Enríquez , presenteia o leitor com seu belíssimo trabalho (Originalmente em aquarela? Acho que é!) que, como diria minha avó, “faz pareio” com a belíssima narrativa, principalmente ao traduzir a personalidade de Sofia! Adulto, querido, leia o brilhante A praia dos inúteis , e o faça antes de destiná-lo à sua criança! Você merece isso!   *   A Sofia, caro leitor, é uma personagem adorável, que te faz querer parar e pensar sobre a vida da maneira mais leve possível! Ela tem onze anos e meio e, em uma de