Pular para o conteúdo principal

a bruxa e o espantalho (Que belezura!)

Costumo dizer que investir em um livro de imagem é uma excelente ideia, porque esse tipo de livro é infinito. Principalmente se o leitor for uma criança, porque a cada vez que a história for lida pela criança ou contada pra ela, a história será recebida por uma perspectiva diferente. Mais ou menos como quando relemos um livro e, após cada releitura, fazemos uma interpretação diferente dele.

A bruxa e o espantalho é um livro de imagem, com capa dura, relativamente barato, traz as espetaculares ilustrações do artista mexicano Gabriel Pacheco e que foi publicado no Brasil pela Editora Jujuba

As ilustrações de Gabriel Pacheco narram a história de uma bruxa que voava em “bando” com outras bruxas (Assim como as aves!) utilizando seu monociclo, enquanto as outras bruxas utilizavam suas vassouras. Mas em algum momento da viagem, essa bruxa diferentona se distrai com um passarinho, cai do seu meio de transporte diferentão e, além de ser duramente criticada, é excluída do bando pelas outras bruxas (Muito carrancudas.), que vão embora e a deixam na floresta sozinha.
E mesmo quando cai do seu monociclo, ela parece estar leve... Mas essa leveza precisa ser percebida, porque não pode ser vista “a olho nu”! Falando de forma um pouco mais, digamos, filosófica, ela cai porque se distrai com o belo, o passarinho, nesse caso.

Ainda na cena da exclusão, os sinais da presença do espantalho, o outro personagem principal, já começam a aparecer, mesmo que ele não esteja no cenário.  Essa presença do espantalho, ainda que muito discreta, permanece nos acontecimentos seguintes. Inclusive quando ela perambula pela floresta, vivenciando o abandono que, aparentemente, ela sente quando olha pro céu e vê suas “amigas” indo embora. Mas mesmo de longe, o espantalho percebe o abandono acontecendo. As cenas nas quais ele aparece, fisicamente, são mais vivas, digamos assim. E em uma delas é possível, mesmo que subliminarmente, notar como o abandono é visto por outro indivíduo...

Outra “coisa” que percebi, principalmente quando a bruxa encontra com o espantalho, é que mesmo em situação de abandono, exclusão e solidão, ela não perde sua capacidade de olhar pro belo, não se entrega ao ruim. O belo a impacta de forma emocionante! Além disto, por onde ela passa, o cenário vai sendo iluminado. A cena na qual os dois personagens se encontram é linda e vivamente colorida, e a forma como o espantalho olha pra bruxa, me lembrou o olhar curioso de um gatinho, de tão doce e fofo...
E ainda que sentisse todo peso do mundo em seu coração, a bruxa diferentona me pareceu trazer mais alegria ao espantalho. O semblante dele muda muito quando ele a vê! O “sorriso” dele é muito bonitinho, e a delicadeza das minúsculas folhas coloridas, espalhadas pela página, são de uma meiguice inexplicável!

Outro tema abordado, e que me tocou muito, foi a transformação que a decisão de ajudar traz. A cena do início da transformação do espantalho é impactante demais! Aquele pequeno e calmo redemoinho de palhas é impressionante e delicado! As cenas seguintes, ainda com a revoada de palha, são tão maravilhosas que quando fechei os olhos, quase pude sentir uma brisa passando por mim... É como aquelas cenas de filmes nas quais o cenário muda com um vento calmo e que anuncia algo bom, sabe?!

(Repare na folhinha... Por favor, repare na folhinha...)

As páginas seguintes às cenas que acabei de descrever além de serem lindas, narram o desfecho da história dessa bruxa que, mesmo vivendo uma situação difícil, não desistiu de enxergar a beleza das coisas; e conta também o que acontece com esse espantalho que sabe sobre a importância de se transformar pra transformar o mundo, e como podemos nos fazer presentes nas vidas das pessoas... De maneiras subjetivas, simples... Ou não...
Com suas ilustrações ternas, delicadas e (quase) subjetivas Gabriel Pacheco oferece ao leitor desse livro, uma história sobre empatia, respeito às diferenças, a importância de enxergar “além do que se vê”, generosidade, transformação, pertencimento...

A impressão que tive no final do livro foi de que o espantalho vai caindo, propositalmente, para colorir o mundo por onde a bruxa passa com ele! Ah, gente! É lindo demais! O desfecho é incrível! O espantalho, o passarinho e a bruxa dessa história, representam inúmeras virtudes que não encontramos nos corações de muitos personagens da vida real (adulto ou criança). Um livro realmente necessário para todos os nossos dias! Leia! Releia! Seu coração vai agradecer!

Obrigada, T., pelo mimo!

Ficha técnica
Título original: La bruja y el espantapajaros
Título brasileiro: A bruxa e o espantalho
Tradução: Daniela Padilha


Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

  1. A lot of individuals choose gaming utilizing their cellphones, and there are many of|there are numerous} reasons for this. If may be} one of those of|a type of} gamers on 카지노사이트 the lookout for one of the best cell casinos in Canada, you need to} positively a glance at|try} what Cafe Casino has to supply. To help you out, we now have carried out intensive research and managed to seek out|to search out} one of the best on-line casinos for Canadian gamers. As of right now, the on line casino presents more than 650 completely different games, provided by one of the largest and most reputable software developers in the industry — Microgaming..

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

Dado Villa-Lobos: memórias de um legionário

Como parte da introdução deste texto preciso (e quero) muito ressaltar, que a trajetória de vida do Dado é bem colocada nessa publicação . S uas experiências na infância e na adolescência são muito bem narradas por seus biógrafos! A história dele com a música, desde a herança familiar até os dias atuais, foi/é feita e contada com muito amor, dedicação e verdade! É como se a imagem que eu tinha do Dado Villa-Lobos tivesse sido ampliada depois de ter lido o livro. * O texto da apresentação do livro Dado Villa Lobos: memórias de um legionário me deu conta de como Dado (Serei íntima, ok?!) decidiu publicar o livro, e me arrancou lágrimas porque, pra mim, a admiração de um fã por um ídolo é um sentimento (quase) irrepreensível e extremamente admirável! E quando esse fã se torna um dos biógrafos de seu ídolo... ai... ai... que coisa mais linda! Através de seus biógrafos, Felipe Demier e Romulo Mattos, Dado fala com muita clareza sobre momentos musicais que não tive a oport