Pular para o conteúdo principal

Covardes, abusadores e Barões: uma leitura de Leila


Uma criança de dez anos de idade com a altura de uma criança de quatro anos, um adulto com sua autoestima negativamente afetada e com dificuldade para relações interpessoais e para demonstrar seus sentimentos. Esses e uma infinidade de outros traumas podem ser listados como resultantes do abuso sexual. Quantos adultos que conhecemos tiveram suas infâncias violadas por familiares ou amigos próximos e “confiáveis”?

Estamos no século XXI e ainda é comum sabermos sobre relatos e denúncias de abuso sexual infantil. Mesmo em tempos modernos, crianças continuam sendo violentadas. Diante disso, surgem questionamentos sobre como alertar os pequenos, protegê-los e também educá-los a não violar. Algumas publicações editoriais, como Não me toca, seu boboca (Andrea Viviana Taubman; Editora Aletria; 2017) e Você é dono do seu corpo (Cornelia Maude Spelman), são populares quando buscamos algum auxílio literário para esses questionamentos, com direcionamento para crianças na fase da primeira infância (de zero a seis anos). Ainda assim, o alcance é muito discreto, devido à resistência de instituições educacionais (e também de alguns adultos) em abordar o tema em sala de aula (ou em casa). Esse tabu a modernidade também não foi capaz de derrubar.

Felizmente é possível encontrar no mercado editorial, profissionais e empresas que, mesmo cientes dessa resistência, insistem na publicação de obras que se fazem úteis e esclarecedoras. 

Lançado pela editora Abacatte em junho de 2019, o livro Leila chegou ao mercado livreiro para fortalecer a luta contra o abuso sexual, não “apenas” infantil, mas também adulto. Apesar de, oficialmente, ser indicado para crianças entre oito e nove anos, esse livro pode ser direcionado ao público de qualquer idade, pois a abordagem sobre um assunto tão pesado é feita delicadamente pelas mãos talentosas da ilustradora Thais Beltrame e do autor Tino Freitas, que nos apresentam como personagens principais a baleia Leila e o polvo Barão.

Com uma linguagem poética, como em:


Ele a beijou no rosto, como quem rouba algo de uma criança.

 
os dois artistas narram a história de Leila, uma baleia que ama seus longos cabelos anelados e gosta de nadar livremente com fones de ouvido, mas que um dia é abordada por seu vizinho polvo, o Barão. Ele a acompanha durante seu passeio, mesmo sem a permissão dela. Se sentindo intimidada e com medo, Leila se cala diante do beijo dado em seu rosto pelo Barão, que, depois de mexer na alça de seu biquíni, também corta seu cabelo, pois é assim que ele gosta: curto. Depois, como todo abusador, o polvo “pede” segredo à baleia e diz que pode dar a ela vários biquínis, pois o dela está “meio torto”:

Se você for gentil comigo, te darei biquínis ainda mais bonitos.

A partir desse momento, Leila sente todo o peso daquela situação que a levou para o fundo do mar. Mas o autor e a ilustradora narram, com palavras e imagens extremamente delicadas, todo o trauma que pode acometer uma vítima de abuso sexual: dor, intimidação, depressão, recolhimento, dificuldade com relações interpessoais, auto-estima negativamente afetada, entre outros tantos, como se percebe nesta fala do narrador do livro:

O desejo urgente de desaparecer e uma dor imensa, que lhe pesava no peito, arrastavam-na para o fundo do mar

 
O fundo do mar simboliza todo o sentimento relacionado ao trauma sofrido por Leila, e posteriormente, ao voltar à superfície, a baleia reencontra os amigos, sua vontade de viver e sua liberdade. 
Esse ressurgimento da bela baleia também é narrado por Tino e Thais: ela emerge do fundo de sua depressão - causada pelo abuso -, pois nasceu para ser “enorme e ser leve”; com a ajuda de seus amigos, ela aprisiona o Barão com suas palavras de empoderamento e força, e, depois, mesmo sem os longos cabelos que amava, ela volta a nadar. Volta a ser uma baleia livre, declarando:

Eu decido se quero cortar meus cabelos! Ninguém pode me tocar contra a minha vontade!

É uma história curta e sensível! Dessa forma, Leila pode ser o ponto de partida para que crianças identifiquem algum tipo de abuso sofrido. O livro também pode ensinar à criança (e ao adulto) o que é abuso e assédio. Pode educar pessoas para que reflitam sobre seus atos, independente de essas pessoas serem homens ou mulheres, adultos ou crianças.

Quantas Leilas e quantos Barões circulam entre nós, sem que saibamos? E se soubermos, como reagir? Como intimidar ações de Barões? E sobre as Leilas? Como podemos deixá-las fortes para que tenham a mesma voz da baleia? Esse livro incrível chega para nos ajudar a proteger nossas crianças, educá-las - para que se tornem adultos decentes -; para educar, também, os adultos e dar voz a todas as Leilas que já tiveram Barões em suas vidas. Para crianças, o livro traz personagens lúdicos, em um cenário multicolorido e atrativo. Para os adultos, traz o alívio de ter à disposição uma ferramenta contra o abuso. Para os Barões, Leila traz o peso e a prisão da consciência e dos atos.

É isso que nos ensinam as belas ilustrações de Thais Beltrame e o texto sensível de Tino Freitas: nos ensina que os únicos caminhos para que não haja Barões são a prevenção e a educação. Você que é educador e/ou administrador de uma instituição educação, peça entre em contato com o divulgado de sua cidade e solicite que ele apresente esse livro incrível! Vamos juntos, ajuda a combater esse mal que ainda assola  tantos lares!

DENUNCIE! DISQUE 100!

Ficha técnica
Título: Leila
Autor: Tino Freitas
Ilustrações: Thais Beltrame

Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postar um comentário

Fique à vontade, mas não muito!

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg

A praia dos inúteis (Que inutilidade útil!)

Mais um texto sobre um livro da Editora Biruta que, com certeza, precisa habitar, também, as prateleiras das bibliotecas escolares. No livro que esse texto aborda, há uma luta, quase subliminar, a favor das ciências das artes e do respeito ao Outro. Há nele também, uma abordagem direta sobre permitir que o   Outro seja quem ele é... não menos importante, o autor, Alex Nogués , traz em seu texto questionamentos sobre a diferença entre custo e valor. Por sua vez, a ilustradora Bea Enríquez , presenteia o leitor com seu belíssimo trabalho (Originalmente em aquarela? Acho que é!) que, como diria minha avó, “faz pareio” com a belíssima narrativa, principalmente ao traduzir a personalidade de Sofia! Adulto, querido, leia o brilhante A praia dos inúteis , e o faça antes de destiná-lo à sua criança! Você merece isso!   *   A Sofia, caro leitor, é uma personagem adorável, que te faz querer parar e pensar sobre a vida da maneira mais leve possível! Ela tem onze anos e meio e, em uma de