Pular para o conteúdo principal

Um lugar seguro (e frio)

 


Eu estava em um lugar seguro. Era quentinho e confortável? Não. Mas era seguro. E assim era suficiente pra mim. Era suficiente porque eu duvidava que um lugar pudesse ser quentinho e seguro. Repentinamente me atraíram para fora do buraco onde me enfiei, e eu simplesmente botei a cara no mundo… a cara… e o coração.

Agora estou aqui, sendo jogada pra fora do lugar quentinho e seguro (ou pelo menos que eu pensava ser seguro), e tendo que voltar pro lugar de onde eu não deveria ter saído. E que, sabidamente, não é confortável.

É como se, no caminho, algumas placas dissessem: “Eu te avisei pra não sair.”; “Viu como você é sozinha?”; “Por que você foi tão displicente?”. 

Meu coração busca, inutilmente, algum meio de dissipar um sentimento de inferioridade (que achei que tivesse sido apagado), pra acalmar minha baixa autoestima (que pensei estar melhor do que está), pra fazer com que eu me conforme com o que eu tinha, porque o que apareceu foi apenas o vislumbre de algo bom que, agora tenho certeza, não mereço. 

É uma dor tão grande… 

Me surpreendo, negativamente, como minhas dores do passado voltam e se apoderam de mim. É como se eu voltasse a ouvir minha família me dizer que nunca vou ser algo, que não vou vingar*… é como se eu não tivesse o direito de ter alguém por perto… alguém para dizer que me admira, para olhar pra mim e enxergar dentro do meu coração… eu estava bem feliz por poder compartilhar as coisas da faculdade com alguém, compartilhar meu entendimento sobre “a vida, o universo e tudo mais”**... mas eu já estava acostumada a não ter isso, sabe?! Conformada, até… aí veio o universo e arrancou de mim, sem dó nem piedade... o quentinho... 

No fim das contas, acho que é só o universo dizendo: “Viva e morra sozinha. Sem amigos, sem parceiro, sem família. É o que você merece!” 

Que dor horrível eu sinto agora, quanto tenho que reencontrar a solidão com a qual eu já estava tão familiarizada… tão acostumada… tão apegada… 

Nesse momento, nesse exato momento, quero apenas que pare de doer e que eu consiga me (re)acomodar no lugar que é só seguro. Por que é tão difícil? Por quê? 

Eu só queria um colo… mas até meus amigos o universo quis deixar longe de mim.

 

*Não me refiro a algum tipo de vingança.

**Amo O guia do mochileiro das galáxias (Douglas Adams) 

sara@cotovialiteraria.com.br

Instagram: naomatemacotovia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

a bruxa e o espantalho (Que belezura!)

Costumo dizer que investir em um livro de imagem é uma excelente ideia, porque esse tipo de livro é infinito. Principalmente se o leitor for uma criança, porque a cada vez que a história for lida pela criança ou contada pra ela, a história será recebida por uma perspectiva diferente. Mais ou menos como quando relemos um livro e, após cada releitura, fazemos uma interpretação diferente dele. A bruxa e o espantalho é um livro de imagem, com capa dura, relativamente barato, traz as espetaculares ilustrações do artista mexicano Gabriel Pacheco  e que foi  publicado no Brasil pela Editora Jujuba .  As ilustrações de Gabriel Pacheco narram a história de uma bruxa que voava em “bando” com outras bruxas (Assim como as aves!) utilizando seu monociclo, enquanto as outras bruxas utilizavam suas vassouras. Mas em algum momento da viagem, essa bruxa diferentona se distrai com um passarinho, cai do seu meio de transporte diferentão e, além de ser duramente criticada, é excluída do bando

Dado Villa-Lobos: memórias de um legionário

Como parte da introdução deste texto preciso (e quero) muito ressaltar, que a trajetória de vida do Dado é bem colocada nessa publicação . S uas experiências na infância e na adolescência são muito bem narradas por seus biógrafos! A história dele com a música, desde a herança familiar até os dias atuais, foi/é feita e contada com muito amor, dedicação e verdade! É como se a imagem que eu tinha do Dado Villa-Lobos tivesse sido ampliada depois de ter lido o livro. * O texto da apresentação do livro Dado Villa Lobos: memórias de um legionário me deu conta de como Dado (Serei íntima, ok?!) decidiu publicar o livro, e me arrancou lágrimas porque, pra mim, a admiração de um fã por um ídolo é um sentimento (quase) irrepreensível e extremamente admirável! E quando esse fã se torna um dos biógrafos de seu ídolo... ai... ai... que coisa mais linda! Através de seus biógrafos, Felipe Demier e Romulo Mattos, Dado fala com muita clareza sobre momentos musicais que não tive a oport