Pular para o conteúdo principal

“Mas e eu? Quem vai cuidar de mim?” Ah... Nisso eu não tinha pensado!



Acredito que o (para)texto da quarta capa do livro Ah... nisso eu não tinha pensado! foi bem econômico ao dizer que a narrativa e as imagens falam “apenas” sobre solidariedade... acreditem senhoras e senhores! Esse livro vai muito além de solidariedade!

A história começa com a descrição de uma cidade devorada por concreto e asfalto, e que antecede a história de um velhinho, morador de uma casa que é antiga e acolhedora, para os padrões das construções ao redor dela; com duas cerejeiras no quintal, um grilo morando perto da lareira e uma entrada sem muros e grades, sua casa ocupava um lugar desejado por uma grande construtora, que já o havia notificado sobre a desapropriação e também sobre o despejo. Mas mesmo que construtora tivesse prometido a ele um lugar adequado para morar, o velhinho estava muito triste, porque para ele, o lugar adequado era a casa dele!

Ele a tinha construído, lá tinha vivido com sua mulher e seus filhos, lá guardava todas as suas lembranças...

Quando a casa foi derrubada sob o olhar triste do velhinho, o grilo – ex-morador do buraco perto da lareira -, finalmente fez-se ouvir pelo homenzinho, perguntando quem cuidaria dele agora que a casa estava destruída. De dentro da mala, o velhinho tirou alguns lenços, fez uma boneca de pano e pediu a ela que cuidasse do grilo; assim como fez o grilo, a boneca de pano perguntou quem cuidaria dela, e o velhinho também foi em busca de um amigo para ela... depois da boneca, outros personagens, entre eles uma casa abandonada, aparecem para serem cuidados, montando uma narrativa que mostra como a solidariedade, o amor e a empatia são importantes para amenizar/evitar o próprio sofrimento e o do outro.

Ah... que delícia! Ah... que coisa boa ter um bom amigo, ter um amigo bom!

Esse livro lindo, escrito, originalmente, pelo francês Ludovic Souliman, que foi lindamente publicado no Brasil pela Editora Peirópolis, ilustrado pela Bruna Assis Brasil e traduzido pela Regina Machado, traz em sua ficha catalográfica a indicação da categoria Literatura infantil, mas ao lê-lo, me questionei quantos adultos precisam conhecer essa breve e importante história que ensina sobre solidariedade, pertencimento, sensibilidade, amizade... As ilustrações complementam o texto substancialmente, porque além de serem muito delicadas, conseguem fazer com que a sensibilidade dos personagens seja claramente notada e também a dureza com que a superficialidade da vida tenta esmagar essa sensibilidade, como se ela fosse desimportante. A junção do texto e da ilustração, enfatiza como são lindas as ações do velhinho que, mesmo depois de seu despejo, sai em busca de cuidados para seres que estão/são solitários e excluídos de cuidados!

O homenzinho bateu no ombro do gigante adormecido. Ele se levantou, parecia atordoado, gritando, cobrindo a cabeça com os braços, como para se defender.

Além dessas, esse livro belíssimo aborda outras questões como, por exemplo: por que o canto de um grilo não é ouvido, mas o som de uma moeda caindo no chão, no mesmo lugar, é? Segundo Souliman, tudo depende do que tem importância para cada um. Independentemente do que seja, o texto do autor francês deixa claro que não podemos nos esquecer do próximo e muito menos parar de lutar, de maneira honesta, pelo que determinamos ser relevante em nossas vidas: um livro, o canto de um grilo, uma música, um amigo...

Faça a você essas perguntas! Ensine ao seu pequeno leitor, se fazer essas perguntas! O que é importante pra você? O que sua sensibilidade e suas ações te permitem ouvir/enxergar? Suas ações te causam peso ou leveza?

Querer fazer o bem traz sempre complicações, mas não fazer nada é a pior das soluções.

Termino este texto citando o último trecho da quarta capa, que cabe perfeitamente em minha vida e em minhas importâncias:

A solidariedade! É a solidariedade de todos que vai permitir que o sonho de cada um se torne realidade.


Obrigada pelo mimo, Dona Peirópolis... os pacotinhos de vocês sempre aquecem meu coração!

Ficha técnica
Título original: Ah, ça...j’y avais pas pensé!
Título brasileiro: Ah... nisso eu não tinha pensado!
Autor: Ludovic Souliman
Tradução: Regina Machado
Ilustrações: Bruna Assis Brasil
Editora: Peirópolis

Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Proibido aos elefantes (Elefantinhos do mundo, uni-vos!)

Ensinar sobre inclusão às crianças não deve ser tarefa fácil mas, ainda mais difícil, penso eu, seja ensinar aos adultos já incutidos de preconceitos (e pré-conceitos) a lidar respeitosamente com o que é diferente pra eles. Para amenizar essas dificuldades, os livros (Sempre os livros!) são ferramentas incríveis e imprescindíveis!   Como já disse aqui outras vezes , gosto sempre de destacar a transparência e a coragem com que algumas editoras trabalham. Neste texto falarei de um livro infantil, publicado pela (super competente) Trioleca Casa Editorial .   O livro Proibido aos elefantes , assim como outras publicações da Trioleca , é uma ferramenta sensível, acolhedora e de fácil utilização para abordar temas como inclusão, amizade, medo, diferença, exclusão, solidariedade e solidão (Ficou uma listinha meio grande, mas é necessário. Eu não poderia deixar algum item desses de fora.).   Nessa história linda, escrita por Lisa Mantchev , o protagonista sente certa dificuldade em

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg

Três é demais (Será?!)

Conheci o João Marcos , autor do novo livro da Abacatte Editorial, Três é demais , no FIQ de 2018 (Festival Internacional de Quadrinhos). Ele estava autografando seus livros com o Mendê e a Tê e também desenhando outros personagens muito maravilhosos no flip chart . Fiquei encantada por saber que aqueles traços tão fortes saíram das mãos de alguém tão gentil como o João!   Com o prefácio lindamente escrito pelos irmãos Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi , o talentoso quadrinista João Marcos lança o muito divertido Três é demais - que com certeza fará muito sucesso nas bibliotecas particulares e, também, abalará as estruturas das bibliotecas escolares: história em quadrinhos, caixa alta, poucas páginas, formato gráfico excelente e miolo impresso em papel resistente.   *   Usando e abusando da criatividade dos personagens Mendelévio e Telúria, para abordar temas do cotidiano infantil, causando grande confusão na vida dos dois irmãos, o quadrinista me divertiu com seu texto e sua i