Pular para o conteúdo principal

Dentro de casa (Com muita criatividade!)



Algumas editoras já trabalhavam, antes dessa situação calamitosa que estamos vivendo, com o intuito de publicar livros de qualidade e com bons propósitos. Já dei algumas indicações aqui no blog (Busque pelos textos sobre livros
infantis e infantojuvenis.), e é uma alegria poder expandir essas indicações, com o primeiro lançamento da Aletria Editora, durante essa quarentena!

*

Pelo que pude observar, muitas mães e muitos pais estão com trabalhos intensivos: entreter a cria, fazer home office, ajudar os filhos com o dever de casa e, ainda, tirar um tempinho para viver sua individualidade. Não tenho lugar de fala (Não sou mãe.), mas nesse caso é nítido que os pais* precisam de ajuda... Seja com o que for... E meu auxílio, claro, chega em forma de indicação de livro!
Então neste texto, vou indicar o novíssimo livro infantil da artista Bruna Lubambo, o Dentro de casa, publicado pela Aletria!
 Não escrevi esse livro para pesar sobre mães e pais uma necessidade de ‘transformar a quarentena numa grande aventura dentro de casa’ [...] Este livro é sobre a generosidade das crianças com as pequenas coisas. Elas olham de perto. Param por um instante. [...]

É com este recado empático e tranquilizador (Quase um abraço!) que Lubambo finaliza seu livro. E faço essa citação pra “começar” a falar sobre esse livro para que vocês, pais e mães, que leem este texto, NÃO pensem que esse é (mais) um produto caça-níquel**! Não! Não é! Muito pelo contrário, esse é um livro necessário e atemporal!

Nesse livro, o trabalho da Bruna Lubambo tem coloridos e traços que lembram giz de cera e pincel... Sabe quando a criança vai pintando e você sabe o que ela usou?! Então... Essa foi a impressão que tive! E gosto desse tipo de trabalho porque acho que aproxima (ainda mais) a criança do desenho, devido à associação da arte do livro com a lição que ela faz na escola e/ou com o passatempo que ela cria em casa!

O texto da Bruna (Vou usar primeiro nome. Como se fosse íntima, mesmo!), junto com suas ilustrações maravilhosas, dão vida a um personagem infantil que viu na sua casa, sem quintal, infinitas possibilidades de histórias. A sala, que recebe a visita do sol só no fim da tarde, se tornou uma floresta tão imensa, que não era mais possível atravessá-la em um dia.
No banheiro, de repente, apareceu uma lagoa cheia de peixes e patos que, claro, se tornaram amigos desse protagonista tão criativo. Até o caminho para o quarto dele tomou proporções tão gigantescas que a mãe não consegue voltar de lá no mesmo dia... Precisa acampar!

E assim ele vai usando a imaginação pra fazer da sua casa um mundo cheio de aventuras, tesouros de piratas, pé de tapioca...

É um livro barato, curtinho, com capa em alto relevo; tem “quinas” arredondadas (Que ajudam a evitar que a criança se machuque.), papel mais espesso (Para que a criança não se corte ao manusear.) e tem também texto em caixa alta (todas as letras maiúsculas). O livro tem dimensões adequadas para a criança menor, ou seja, não é grande demais, por isto ela consegue manusear sozinha, e foi impresso com material muito resistente. Além de tudo isso, as ilustrações são limpas, com cores muito vivas, e os cenários são comuns às crianças, porque são reproduções dos cômodos de uma casa e de uma floresta, por exemplo.
Faço questão de destacar, também, esses aspectos técnicos/físicos porque é um produto direcionado a um leitor que, talvez, não saiba manusear um livro de maneira que não o machuque e que também não o danifique muito. Mas, principalmente, porque para a maioria dos leitores deste blog não será possível manusear esse livro tão lindo antes de comprar para o pequeno leitor. Talvez com meu texto o adulto consiga ter uma ideia sobre a composição.

As projeções de cenários externos (mata/floresta), nos cômodos da casa, além de muito lúdicas são muito criativas e estimulantes, o que pode ser de grande ajuda para os pais de crianças menores que precisam de auxílio com a criatividade pra prender a atenção desses leitores; porque essa história é praticamente infinita. É um texto que não tem um fim, um desfecho... O protagonista lança uma ideia pro mediador, que pode pegá-la pra fazer dela o que quiser junto com a criança, ou sozinho. Li sozinha e me diverti demais!

 Por fim, acho muito importante enfatizar o olhar esperançoso do protagonista quanto ao futuro, porque sempre precisaremos dessa esperança, desse olhar terno e generoso para o que vem pela frente, principalmente, depois da pandemia!

O livro Dentro de casa não é um livro “só para” a quarentena! É um livro para todas as horas. Para todas as vidas, todas as idades. Dê esse presente para sua casa, sua criança, para você.
Leve esse livro para a biblioteca da sua escola, tenho certeza de que ele ajudará demais seu corpo docente/pedagógico!

*Utilizarei esse termo para que o texto não fique muito extenso e nem repetitivo. Eu, Cotovia Literária, tenho plena consciência do trabalho, majoritariamente, materno em nossa sociedade.
**E se fosse, não teria espaço aqui no blog. Pode apostar!

Ficha técnica
Título: Dentro de casa
Autora: Bruna Lubambo
Ilustrações de capa e miolo: Bruna Lubambo

Obrigada pelo mimo, R.



Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Proibido aos elefantes (Elefantinhos do mundo, uni-vos!)

Ensinar sobre inclusão às crianças não deve ser tarefa fácil mas, ainda mais difícil, penso eu, seja ensinar aos adultos já incutidos de preconceitos (e pré-conceitos) a lidar respeitosamente com o que é diferente pra eles. Para amenizar essas dificuldades, os livros (Sempre os livros!) são ferramentas incríveis e imprescindíveis!   Como já disse aqui outras vezes , gosto sempre de destacar a transparência e a coragem com que algumas editoras trabalham. Neste texto falarei de um livro infantil, publicado pela (super competente) Trioleca Casa Editorial .   O livro Proibido aos elefantes , assim como outras publicações da Trioleca , é uma ferramenta sensível, acolhedora e de fácil utilização para abordar temas como inclusão, amizade, medo, diferença, exclusão, solidariedade e solidão (Ficou uma listinha meio grande, mas é necessário. Eu não poderia deixar algum item desses de fora.).   Nessa história linda, escrita por Lisa Mantchev , o protagonista sente certa dificuldade em

Três é demais (Será?!)

Conheci o João Marcos , autor do novo livro da Abacatte Editorial, Três é demais , no FIQ de 2018 (Festival Internacional de Quadrinhos). Ele estava autografando seus livros com o Mendê e a Tê e também desenhando outros personagens muito maravilhosos no flip chart . Fiquei encantada por saber que aqueles traços tão fortes saíram das mãos de alguém tão gentil como o João!   Com o prefácio lindamente escrito pelos irmãos Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi , o talentoso quadrinista João Marcos lança o muito divertido Três é demais - que com certeza fará muito sucesso nas bibliotecas particulares e, também, abalará as estruturas das bibliotecas escolares: história em quadrinhos, caixa alta, poucas páginas, formato gráfico excelente e miolo impresso em papel resistente.   *   Usando e abusando da criatividade dos personagens Mendelévio e Telúria, para abordar temas do cotidiano infantil, causando grande confusão na vida dos dois irmãos, o quadrinista me divertiu com seu texto e sua i

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg