Pular para o conteúdo principal

Uma curva no tempo (Sobre essa, nenhum GPS conseguiu alertar!)

Com o passar dos anos, desenvolvi certa resistência para ler romances. De qualquer tipo! Sempre os achava extremamente previsíveis e parecidos.

 

*

 

Pois bem! Comecei a ler o Uma curva no tempo depois de terminar um livro pelo qual fiquei enlouquecida, e isso não ajudou muito para que eu tivesse uma boa expectativa pelo “pobre coitado” do romance. Mas, de certa forma, isso foi bom, porque fiquei completamente encantada e ansiosa pelo futuro de Rachel, a personagem principal. 

 

Vítima de um grave acidente durante a despedida de seus amigos de escola, Rachel é salva por seu melhor amigo, Jimmy, que vem a falecer. Depois do acidente, Rachel não consegue vaga em alguma faculdade e seu pai é diagnosticado com câncer. (Nesses capítulos, pensei: “Mais um Um amor para recordar!”, mas insisti com a leitura porque evito desistir de algum livro!)

 

O acidente não só transfigurou o rosto de Rachel, como também a deixou com fortes e recorrentes enxaquecas, sobre as quais não falou com seu pai ou com sua melhor amiga, Sarah. O casamento de Sarah foi o principal motivo de Rachel voltar à Great Bishopsford, o lugar onde tudo aconteceu, e onde não havia estado há cinco anos.

 

Durante o jantar de despedida de solteira de Sarah, Rachel não bebeu muito, porque tinha tomado uma quantidade considerável de analgésico. Depois do jantar, seu ex-namorado, Matt, muito prestativo, a leva até o hotel e isso faz com que ela questione se Jimmy (Aquele amigo que faleceu.) a amava ou não. Essa reflexão deixa sua enxaqueca mais forte, tira seu sono e, sem pensar duas vezes, ela decide visitar o cemitério em que Jimmy estava enterrado, mesmo já sendo tarde da noite. Assim que avista a inscrição na lápide, uma dor muito intensa a arrasta, fazendo com que seus joelhos fraquejem. Sua enxaqueca volta ainda mais forte e em questão de segundos ela para de enxergar.

 

Três dias depois, quando Rachel acorda no hospital, seu pai não estava mais com câncer, ela havia concluído o curso de jornalismo e Jimmy estava vivo. Além disto, ela descobriu que o motivo de sua internação foi a agressão de um assaltante que roubou seu caríssimo anel de noivado.

 

*

 

É! Talvez agora, minha surpresa seja compreendida por você, caro leitor! Foi difícil parar de ler esse livro sem saber o que de fato aconteceu com Rachel. O final é adorável e, mesmo que eu tenha imaginado o desfecho ele me deixou surpresa. Fiquei encantada com o cruzamento de linhas do tempo e com detalhes, nada enfadonhos, que Dani Atkins, a autora, relata e também com a sensibilidade dessa história.

 

A capa é extremamente fofa e tem um toque meio aveludado (A minha edição é assim!), o que me faz querer – ainda mais – ficar fazendo carinho no livro. Foi uma leitura fluida, leve e até com certa paixão! Talvez ele seja o motivo de minha reconciliação com os romances.

Talvez devêssemos deixar um pouco de lado essa história de gênero também quando falamos de livros e/ou os escolhemos. Porque o importante é ler e colocar nosso coração à mercê dessa montanha de sentimentos que a leitura nos desperta.

 

Ps¹: MUITO difícil falar sobre esse livro sem dar spoiler ou sem praticamente “copiar” as orelhas dele.

Ps²: Ah! Ainda em tempo, não deixem de ler história sobre a Editora Arqueiro contada, bem brevemente, na página 2. É muito cute!


Ficha técnica

Título original: Fractured

Título brasileiro: Uma curva no tempo

Autor: Dani Atkins

Tradução: Raquel Zampil

Adaptação de capa: Ana Paula Daudt Brandão e Natali Nabekura

Editora: Arqueiro


Este texto foi revisado por Lorena Almeida.


Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

a bruxa e o espantalho (Que belezura!)

Costumo dizer que investir em um livro de imagem é uma excelente ideia, porque esse tipo de livro é infinito. Principalmente se o leitor for uma criança, porque a cada vez que a história for lida pela criança ou contada pra ela, a história será recebida por uma perspectiva diferente. Mais ou menos como quando relemos um livro e, após cada releitura, fazemos uma interpretação diferente dele. A bruxa e o espantalho é um livro de imagem, com capa dura, relativamente barato, traz as espetaculares ilustrações do artista mexicano Gabriel Pacheco  e que foi  publicado no Brasil pela Editora Jujuba .  As ilustrações de Gabriel Pacheco narram a história de uma bruxa que voava em “bando” com outras bruxas (Assim como as aves!) utilizando seu monociclo, enquanto as outras bruxas utilizavam suas vassouras. Mas em algum momento da viagem, essa bruxa diferentona se distrai com um passarinho, cai do seu meio de transporte diferentão e, além de ser duramente criticada, é excluída do bando

Dado Villa-Lobos: memórias de um legionário

Como parte da introdução deste texto preciso (e quero) muito ressaltar, que a trajetória de vida do Dado é bem colocada nessa publicação . S uas experiências na infância e na adolescência são muito bem narradas por seus biógrafos! A história dele com a música, desde a herança familiar até os dias atuais, foi/é feita e contada com muito amor, dedicação e verdade! É como se a imagem que eu tinha do Dado Villa-Lobos tivesse sido ampliada depois de ter lido o livro. * O texto da apresentação do livro Dado Villa Lobos: memórias de um legionário me deu conta de como Dado (Serei íntima, ok?!) decidiu publicar o livro, e me arrancou lágrimas porque, pra mim, a admiração de um fã por um ídolo é um sentimento (quase) irrepreensível e extremamente admirável! E quando esse fã se torna um dos biógrafos de seu ídolo... ai... ai... que coisa mais linda! Através de seus biógrafos, Felipe Demier e Romulo Mattos, Dado fala com muita clareza sobre momentos musicais que não tive a oport