Pular para o conteúdo principal

Uma curva no tempo (Sobre essa, nenhum GPS conseguiu alertar!)

Com o passar dos anos, desenvolvi certa resistência para ler romances. De qualquer tipo! Sempre os achava extremamente previsíveis e parecidos.

 

*

 

Pois bem! Comecei a ler o Uma curva no tempo depois de terminar um livro pelo qual fiquei enlouquecida, e isso não ajudou muito para que eu tivesse uma boa expectativa pelo “pobre coitado” do romance. Mas, de certa forma, isso foi bom, porque fiquei completamente encantada e ansiosa pelo futuro de Rachel, a personagem principal. 

 

Vítima de um grave acidente durante a despedida de seus amigos de escola, Rachel é salva por seu melhor amigo, Jimmy, que vem a falecer. Depois do acidente, Rachel não consegue vaga em alguma faculdade e seu pai é diagnosticado com câncer. (Nesses capítulos, pensei: “Mais um Um amor para recordar!”, mas insisti com a leitura porque evito desistir de algum livro!)

 

O acidente não só transfigurou o rosto de Rachel, como também a deixou com fortes e recorrentes enxaquecas, sobre as quais não falou com seu pai ou com sua melhor amiga, Sarah. O casamento de Sarah foi o principal motivo de Rachel voltar à Great Bishopsford, o lugar onde tudo aconteceu, e onde não havia estado há cinco anos.

 

Durante o jantar de despedida de solteira de Sarah, Rachel não bebeu muito, porque tinha tomado uma quantidade considerável de analgésico. Depois do jantar, seu ex-namorado, Matt, muito prestativo, a leva até o hotel e isso faz com que ela questione se Jimmy (Aquele amigo que faleceu.) a amava ou não. Essa reflexão deixa sua enxaqueca mais forte, tira seu sono e, sem pensar duas vezes, ela decide visitar o cemitério em que Jimmy estava enterrado, mesmo já sendo tarde da noite. Assim que avista a inscrição na lápide, uma dor muito intensa a arrasta, fazendo com que seus joelhos fraquejem. Sua enxaqueca volta ainda mais forte e em questão de segundos ela para de enxergar.

 

Três dias depois, quando Rachel acorda no hospital, seu pai não estava mais com câncer, ela havia concluído o curso de jornalismo e Jimmy estava vivo. Além disto, ela descobriu que o motivo de sua internação foi a agressão de um assaltante que roubou seu caríssimo anel de noivado.

 

*

 

É! Talvez agora, minha surpresa seja compreendida por você, caro leitor! Foi difícil parar de ler esse livro sem saber o que de fato aconteceu com Rachel. O final é adorável e, mesmo que eu tenha imaginado o desfecho ele me deixou surpresa. Fiquei encantada com o cruzamento de linhas do tempo e com detalhes, nada enfadonhos, que Dani Atkins, a autora, relata e também com a sensibilidade dessa história.

 

A capa é extremamente fofa e tem um toque meio aveludado (A minha edição é assim!), o que me faz querer – ainda mais – ficar fazendo carinho no livro. Foi uma leitura fluida, leve e até com certa paixão! Talvez ele seja o motivo de minha reconciliação com os romances.

Talvez devêssemos deixar um pouco de lado essa história de gênero também quando falamos de livros e/ou os escolhemos. Porque o importante é ler e colocar nosso coração à mercê dessa montanha de sentimentos que a leitura nos desperta.

 

Ps¹: MUITO difícil falar sobre esse livro sem dar spoiler ou sem praticamente “copiar” as orelhas dele.

Ps²: Ah! Ainda em tempo, não deixem de ler história sobre a Editora Arqueiro contada, bem brevemente, na página 2. É muito cute!


Ficha técnica

Título original: Fractured

Título brasileiro: Uma curva no tempo

Autor: Dani Atkins

Tradução: Raquel Zampil

Adaptação de capa: Ana Paula Daudt Brandão e Natali Nabekura

Editora: Arqueiro


Este texto foi revisado por Lorena Almeida.


Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Proibido aos elefantes (Elefantinhos do mundo, uni-vos!)

Ensinar sobre inclusão às crianças não deve ser tarefa fácil mas, ainda mais difícil, penso eu, seja ensinar aos adultos já incutidos de preconceitos (e pré-conceitos) a lidar respeitosamente com o que é diferente pra eles. Para amenizar essas dificuldades, os livros (Sempre os livros!) são ferramentas incríveis e imprescindíveis!   Como já disse aqui outras vezes , gosto sempre de destacar a transparência e a coragem com que algumas editoras trabalham. Neste texto falarei de um livro infantil, publicado pela (super competente) Trioleca Casa Editorial .   O livro Proibido aos elefantes , assim como outras publicações da Trioleca , é uma ferramenta sensível, acolhedora e de fácil utilização para abordar temas como inclusão, amizade, medo, diferença, exclusão, solidariedade e solidão (Ficou uma listinha meio grande, mas é necessário. Eu não poderia deixar algum item desses de fora.).   Nessa história linda, escrita por Lisa Mantchev , o protagonista sente certa dificuldade em

Três é demais (Será?!)

Conheci o João Marcos , autor do novo livro da Abacatte Editorial, Três é demais , no FIQ de 2018 (Festival Internacional de Quadrinhos). Ele estava autografando seus livros com o Mendê e a Tê e também desenhando outros personagens muito maravilhosos no flip chart . Fiquei encantada por saber que aqueles traços tão fortes saíram das mãos de alguém tão gentil como o João!   Com o prefácio lindamente escrito pelos irmãos Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi , o talentoso quadrinista João Marcos lança o muito divertido Três é demais - que com certeza fará muito sucesso nas bibliotecas particulares e, também, abalará as estruturas das bibliotecas escolares: história em quadrinhos, caixa alta, poucas páginas, formato gráfico excelente e miolo impresso em papel resistente.   *   Usando e abusando da criatividade dos personagens Mendelévio e Telúria, para abordar temas do cotidiano infantil, causando grande confusão na vida dos dois irmãos, o quadrinista me divertiu com seu texto e sua i

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg