Pular para o conteúdo principal

A praia dos inúteis (Que inutilidade útil!)

Mais um texto sobre um livro da Editora Biruta que, com certeza, precisa habitar, também, as prateleiras das bibliotecas escolares. No livro que esse texto aborda, há uma luta, quase subliminar, a favor das ciências das artes e do respeito ao Outro. Há nele também, uma abordagem direta sobre permitir que o  Outro seja quem ele é... não menos importante, o autor, Alex Nogués, traz em seu texto questionamentos sobre a diferença entre custo e valor. Por sua vez, a ilustradora Bea Enríquez, presenteia o leitor com seu belíssimo trabalho (Originalmente em aquarela? Acho que é!) que, como diria minha avó, “faz pareio” com a belíssima narrativa, principalmente ao traduzir a personalidade de Sofia! Adulto, querido, leia o brilhante A praia dos inúteis, e o faça antes de destiná-lo à sua criança! Você merece isso!

 

*

 

A Sofia, caro leitor, é uma personagem adorável, que te faz querer parar e pensar sobre a vida da maneira mais leve possível! Ela tem onze anos e meio e, em uma de suas aulas, respondeu à sua professora que quer ser inútil. Não! Ela não quer ser youtuber, gamer, astronauta, médica... ela quer ser I-NÚ-TIL! Sua resposta, claro, foi motivo de muita risada, irritação da professora e também foi motivo de um bilhete para seu pai.




(O pai de Sofia aceitou uma proposta de trabalho em outra cidade, porque a remuneração era melhor mas, por conta disso, a mãe dela teve que abandonar o trabalho na floricultura e o pai passou a trabalhar ainda mais!)

 

O tal bilhete causou mais estremecimento na relação de Sofia com o pai, porque foi quando Sofia descobriu que o pai era uma daquelas pessoas que considera as profissões da área de humanas, sem valor. Para ele, a filha tinha que ser médica, engenheira, advogada... essas profissões que (infelizmente) têm mais status social.

 

A história, narrada por Sofia, gira em torno desses questionamentos sobre o valor do dinheiro, do trabalho e, principalmente, o valor do Outro; mas sempre tendo a praia como refúgio da personagem principal. É na praia dos inúteis que ela se encontra com o que traz paz ao seu coração e, também, alimenta seus sonhos desfeitos pelo pai.

 

Não porque o pai é um monstro, mas porque ele está sempre sem tempo, trabalhando, insensível às tentativas de contato da filha. E é a partir dessa insensibilidade paterna, que Sofia faz as narrativas sobre suas visitas à praia com seus dois melhores amigos, Juan e Elena! Juntos, eles fazem criativas e divertidas incursões litorâneas, durante as quais encontram personagens, digamos, pitorescos – risos.

 

*

 

Nogués desenvolveu uma narrativa leve e sensível, mas que, paradoxalmente, chama duramente o leitor para um debate consigo mesmo sobre valores. Afinal, “Quanto custa?” e “Quanto vale?” são perguntas diferentes e com respostas muito diferentes!

 

Quando Sofia conta sobre sua terceira ida à praia, apenas com sua mãe, o autor revela o olhar sensível e muito amplo da personagem, sobre o casamento dos pais e sobre a vida que o pai escolhera:

 

"A minha mãe mudou porque o meu pai mudou. Às vezes, parece estar de luto, como se meu pai tivesse morrido. Acho que, naquele dia, a brisa aliviava um pouquinho a dor que sentia e ela procurava o meu pai, aquele pai que ela ainda trazia dentro de si [...]"

 

E por esse caminho Sofia foi me encantando com seu olhar doce, bem humorado e direto para a vida. Os suspiros do pai antes de um convite para o monólogo sobre o bilhete enviado pela escola, e a falta do olhar paterno para os verdadeiros valores da personagem foram dois pontos cruciais pra mim, sabe?! É difícil, pelo menos pra um leitor regular, não fazer qualquer tipo de associação entre a personagem e o próprio leitor. Essa intertextualidade que Nogués explora é bonita demais!

 

"Como as palavras podem ser tão belas algumas vezes e, em outras, tão cruéis? Será que é para nos preparar para aceitar injustiças?"

 

Sofia é intensa, né?!

 

"Eu me sinto mais viva com Kandinsky ou com minhocas do que com uma fração no papel."

 

Quem é “de humanas” entende bem o que a personagem principal quer dizer, porque ela enxerga “além do que se vê”!

 

"De certa maneira, a praia estava ali. Um pormenor difuso fazia lembra-la. Mas era verdade que se conseguia reconhecer a luz de cada dia."

 

Tomo a liberdade de dizer que o, lindíssimo, A praia dos inúteis é um livro sobre descobrimento de valores, aqueles que estão mais intrínsecos em nós... aqueles que, por vezes, carecem de esforço para serem vistos e reconhecidos. A relação de Sofia com o pai traz isso à margem de forma bem humorada, direta e reflexiva.

 

"-É bonito o que me conta, Sofia. Mas tudo o que essas pessoas fazem é inútil. Não serve para nada."

 

Mas esse livro também é sobre autoafirmação e autonomia:

 

"As ondas são ondas. As gaivotas são gaivotas. As nuvens são nuvens. A Sofia só tem de ser a Sofia. E é impossível que alguém seja melhor.

[...]

Eu quero ser como eles.

Quero ser inútil."

 

Espero que meu querido leitor perceba a “força e delicadeza” nesta fala de Sofia. Na verdade, é um grito, né?! Um grito por socorro, um grito que muitos carregam dentro de si, de forma abafada...

 

A abordagem de Alex Nogués sobre o conceito de inútil não é, para a maioria, de fácil digestão, porque vai contra todos os intuitos de trabalhar para ter dinheiro e depois gastar o dinheiro enquanto está descansando. Para o autor, e concordo plenamente com ele, “o inútil é antissistema”.

 

"Podem me chamar de ingênuo por apresentar uma personagem como Sofia, revoltando-se contra o mundo útil, mas considero isso um elogio. ‘Ingênuo’ tem a sua origem etimológica no latim ingenuus, que significa ‘nascido livre’, como todos deveríamos nascer e permanecer até o fim dos nossos dias."


Ficha técnica

Título original: La playa de los inúteles

Título brasileiro: A praia dos inúteis

Autor: Alex Nogués

Tradução: Maria João Moreno

Ilustrações: Bea Enríquez

Editora: Biruta

 

As imagens utilizadas foram extraídas do site oficial da Editora Biruta.

Este texto foi revisado por Lorena Almeida.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

a bruxa e o espantalho (Que belezura!)

Costumo dizer que investir em um livro de imagem é uma excelente ideia, porque esse tipo de livro é infinito. Principalmente se o leitor for uma criança, porque a cada vez que a história for lida pela criança ou contada pra ela, a história será recebida por uma perspectiva diferente. Mais ou menos como quando relemos um livro e, após cada releitura, fazemos uma interpretação diferente dele. A bruxa e o espantalho é um livro de imagem, com capa dura, relativamente barato, traz as espetaculares ilustrações do artista mexicano Gabriel Pacheco  e que foi  publicado no Brasil pela Editora Jujuba .  As ilustrações de Gabriel Pacheco narram a história de uma bruxa que voava em “bando” com outras bruxas (Assim como as aves!) utilizando seu monociclo, enquanto as outras bruxas utilizavam suas vassouras. Mas em algum momento da viagem, essa bruxa diferentona se distrai com um passarinho, cai do seu meio de transporte diferentão e, além de ser duramente criticada, é excluída do bando

Dado Villa-Lobos: memórias de um legionário

Como parte da introdução deste texto preciso (e quero) muito ressaltar, que a trajetória de vida do Dado é bem colocada nessa publicação . S uas experiências na infância e na adolescência são muito bem narradas por seus biógrafos! A história dele com a música, desde a herança familiar até os dias atuais, foi/é feita e contada com muito amor, dedicação e verdade! É como se a imagem que eu tinha do Dado Villa-Lobos tivesse sido ampliada depois de ter lido o livro. * O texto da apresentação do livro Dado Villa Lobos: memórias de um legionário me deu conta de como Dado (Serei íntima, ok?!) decidiu publicar o livro, e me arrancou lágrimas porque, pra mim, a admiração de um fã por um ídolo é um sentimento (quase) irrepreensível e extremamente admirável! E quando esse fã se torna um dos biógrafos de seu ídolo... ai... ai... que coisa mais linda! Através de seus biógrafos, Felipe Demier e Romulo Mattos, Dado fala com muita clareza sobre momentos musicais que não tive a oport