Pular para o conteúdo principal

Três é demais (Será?!)

Conheci o João Marcos, autor do novo livro da Abacatte Editorial, Três é demais, no FIQ de 2018 (Festival Internacional de Quadrinhos). Ele estava autografando seus livros com o Mendê e a Tê e também desenhando outros personagens muito maravilhosos no flip chart. Fiquei encantada por saber que aqueles traços tão fortes saíram das mãos de alguém tão gentil como o João!

 

Com o prefácio lindamente escrito pelos irmãos Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi, o talentoso quadrinista João Marcos lança o muito divertido Três é demais - que com certeza fará muito sucesso nas bibliotecas particulares e, também, abalará as estruturas das bibliotecas escolares: história em quadrinhos, caixa alta, poucas páginas, formato gráfico excelente e miolo impresso em papel resistente.

 

*

 

Usando e abusando da criatividade dos personagens Mendelévio e Telúria, para abordar temas do cotidiano infantil, causando grande confusão na vida dos dois irmãos, o quadrinista me divertiu com seu texto e sua ilustração: muitas onomatopeias e muitos “Ri alto!”

 

Os irmãos Mendê e Tê, logo de início passam um aperto na porta do elevador, porque o Mendê tem um medo danado do tal do “MESMO”, que a placa pede pra verificar se está no mesmo andar que eles ou não. E não bastasse esse susto, logo depois, Mendê passa um sufoco, com medo de ficar soluçando pelo resto da vida, porque sua irmã, é bem criativa e gosta de pregar umas peças, viu?!



 

Mas mesmo danadinha assim, a Telúria sai com a mãe pra passear e ganha um presente muito especial, sem nem precisar dividir no cartão (O que será, hein?! Que é tão valoroso assim pra uma criança?!). Aliás, essa abordagem implícita sobre o que tem muito valor e o que custa caro, é sensível demais! Dá gosto de ler!

 

Lançando mão de uma grande variedade de temas, em uma das histórias, João Marcos faz uma crítica (Pelo menos eu compreendi como crítica...) bem sutil sobre o conceito de brincar a partir do olhar adulto. Nessa história a Telúria fica bem brava com o adulto, porque né?! Como assim um adulto vai ensinar uma criança a brincar?!

 

Outra história de que gostei muito, foi a dos dinossauros... Gente... o Mendelévio falando sem parar sobre dinossauros com a Tê, sou eu todinha quando começo a falar com alguém sobre um livro que gosto; já a Telúria, nessa mesma história, representa os pobres dos meus ouvintes... Olha, eu ri bastante... ri mesmo...

 

E aí, quando outro personagem infantil, o Teófilo aparece (em três das histórias do livro), o Mendelévio e a Telúria mostram ao leitor de Três é demais, o desconforto causado pela falta de socialização por parte do coleguinha, porque fica pendurado no celular e acha que o único brinquedo aquilo... Dessas três histórias, a que gostei mais foi uma em que o Mendê tá lendo um livro, começa a flutuar e o Teófilo, sentado no banco de uma praça e mexendo no celular, pergunta pro Mendelévio qual aplicativo ele está usando pra flutuar. Conhece alguém assim? Eu conheço bastante Teófilo... Infelizmente!

 

Não contente, o quadrinista João Marcos ainda aborda assuntos muito pertinentes e atuais como reciclagem, criatividade e chegada de um novo irmão.

 

Então caro leitor, como você deve ter percebido, o livro novo do João Marcos é um deleite pra quem gosta de história em quadrinhos de qualidade, independentemente de ser “adulto ou criança”! Sendo assim, reafirmo minha recomendação de leitura desse livro muito bem prefaciado pelos dois artistas (também quadrinistas) de Belo Horizonte, Lu e Vitor Cafaggi!

 

É leve, sensível, divertido e muito atual! 


Ficha técnica

Título: Três é demais

Autor: João Marcos

Ilustrações: João Marcos

Editora: Abacatte Editorial


As imagens utilizadas foram extraídas do site oficial da Abacatte Editorial.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

a bruxa e o espantalho (Que belezura!)

Costumo dizer que investir em um livro de imagem é uma excelente ideia, porque esse tipo de livro é infinito. Principalmente se o leitor for uma criança, porque a cada vez que a história for lida pela criança ou contada pra ela, a história será recebida por uma perspectiva diferente. Mais ou menos como quando relemos um livro e, após cada releitura, fazemos uma interpretação diferente dele. A bruxa e o espantalho é um livro de imagem, com capa dura, relativamente barato, traz as espetaculares ilustrações do artista mexicano Gabriel Pacheco  e que foi  publicado no Brasil pela Editora Jujuba .  As ilustrações de Gabriel Pacheco narram a história de uma bruxa que voava em “bando” com outras bruxas (Assim como as aves!) utilizando seu monociclo, enquanto as outras bruxas utilizavam suas vassouras. Mas em algum momento da viagem, essa bruxa diferentona se distrai com um passarinho, cai do seu meio de transporte diferentão e, além de ser duramente criticada, é excluída do bando

Dado Villa-Lobos: memórias de um legionário

Como parte da introdução deste texto preciso (e quero) muito ressaltar, que a trajetória de vida do Dado é bem colocada nessa publicação . S uas experiências na infância e na adolescência são muito bem narradas por seus biógrafos! A história dele com a música, desde a herança familiar até os dias atuais, foi/é feita e contada com muito amor, dedicação e verdade! É como se a imagem que eu tinha do Dado Villa-Lobos tivesse sido ampliada depois de ter lido o livro. * O texto da apresentação do livro Dado Villa Lobos: memórias de um legionário me deu conta de como Dado (Serei íntima, ok?!) decidiu publicar o livro, e me arrancou lágrimas porque, pra mim, a admiração de um fã por um ídolo é um sentimento (quase) irrepreensível e extremamente admirável! E quando esse fã se torna um dos biógrafos de seu ídolo... ai... ai... que coisa mais linda! Através de seus biógrafos, Felipe Demier e Romulo Mattos, Dado fala com muita clareza sobre momentos musicais que não tive a oport