Pular para o conteúdo principal

Quando os livros foram à guerra (E porque eles foram!)


Meu interesse por livros sobre guerra nunca foi dos maiores, mas esse título logo entrou para a minha lista de platonices literárias. Ainda bem! Já posso dizer que também gosto dos livros sobre guerra. 


Resultado de uma minuciosa pesquisa da autora Molly Guptill Manning, Quando os livros foram à guerra narra a importância dos livros durante a Segunda Guerra Mundial, apesar da queima de milhares de exemplares por Adolf Hitler, na Bebelplatz* (Confesso que, quando li esse capítulo, engordei alguns quilos com o choro que engoli.). Manning narra, com riqueza de detalhes históricos, como os aliados utilizaram os livros contra a guerra.
A partir do momento em que se reconheceu a promoção de uma guerra intelectual por Hitler, em meio à guerra bélica, os EUA começaram trabalhar para vencer a Segunda Guerra Mundial, junto com seus aliados, utilizando os livros. Acreditaram que, além de treinamento pesado, o exército precisava de “recreação simples, popular e barata. Precisava de livros.”

Foi surpreendentemente boa a forma como a autora me deixou ansiosa pelas páginas seguintes, por exemplo, como quando ela narra a criação da Army Library Service (Serviço de Biblioteca do Exército), em 1921, utilizando dados históricos de maneira dinâmica e entusiasta. O surgimento desse (fantástico) serviço começou depois da Primeira Guerra Mundial, quando os livros se tornaram artigos de primeira necessidade nas instalações militares; foi o pontapé inicial para o que eu (modestamente) considerei uma autêntica revolução literária e editorial. Li o capítulo todo, tentando visualizar o trabalho de modernização dos acervos militares, a forma como os livros foram escolhidos, catalogados, comprados…

Achei incrível como Manning despertou em mim outro olhar sobre a guerra! Nunca imaginei ter havido tanto esforço para explicar aos soldados o motivo da guerra, enquanto ela ocorria; ao mesmo tempo vários livros eram enviados para recreação desses soldados. A forma como essa autora me fez pensar um pouco mais na vida sob uma economia de guerra, imaginar que soldados buscavam nos livros atrativos para preencher os vazios trazidos pela guerra, que homens feridos encontraram nos livros esperança e cura, como na história de Charles Bolte, que teve uma das pernas amputada enquanto estava na África: 

Embora outras muitas coisas tenham ajudado Bolte a se curar, ele colocou as dezenas de livros que leu como a mais importante delas.

Durante o período de sua hospitalização, Bolte recebeu visita do amigo que estava sendo tratado por um ferimento a bala. No hospital, o amigo segurava um exemplar de A quinta coluna (Ernest Hemingway), como se fosse um troféu. Neste livro através de um personagem de Hemingway que encontrou no choro o alívio para as dores causadas pela perna quebrada, o soldado Bolte, que até então não havia se permitido chorar, também encontrou seu conforto para todas as preocupações que o rondavam: cobria a cabeça e se permitia tentar chorar.

O que acontece durante a convalescença de um ferimento grave pode amargurar ou adoçar um homem para sempre.

Além de histórias como a do soldado Bolte, não é difícil encontrar citações emocionantes e sensíveis, como o trecho de Aeropagitica, de John Milton, que fala sobre a importância dos livros coletados no Victory Book Day**:

Os livros não são coisas mortas, pois contêm em si uma potência vital capaz de torná-los tão ativos quanto os espíritos dos seus progenitores. Mais do que isso, preservam como numa ampola, a mais pura eficácia e essência daquele intelecto vivo que o gerou.

Outro assunto muito interessante abordado pela autora é a “transição” de livros com capa dura para livros com capa em brochura. Manning ressalta a importância dos livros no formato brochura, que ajudaram no manuseio pelos combatentes: mais leves, menores e mais baratos. É incrível (Pelo menos para mim!) imaginar que houvesse “preconceito social” contra livros nesse formato. Tudo bem que os livros com capa dura sejam mais robustos, com melhor acabamento e blá, blá, blá… mas o que interessa não é o conteúdo? Não é o impacto que o texto causa no leitor? Assim como nas pessoas, não é o conteúdo que realmente deve ser levado em consideração?
A importância de publicações em formatos adequados às vidas dos soldados era tamanha que, em março de 1942, foi criado o Conselho sobre Livros em Tempos de Guerra. A criação desse conselho uniu a indústria bélica e a indústria editorial, para que os aliados vencessem a Segunda Guerra Mundial.

‘Os homens de letras dividiam a responsabilidade com os fabricantes de armas e quem as usava’

O objetivo da criação desse Conselho era “[...] estudar como os livros poderiam servir ao país durante a guerra.”, e durante toda sua existência, teve como slogan: “Livros são armas na guerra de ideias.”

Como a autora conta, nem tudo foram flores, e as dificuldades tiveram que ser dribladas, mesmo após a criação do Conselho e da Armed Service Edition (Que, a grosso modo, era uma editora militar.). A escolha dos títulos foi um grande impasse nessa força-tarefa, porque esbarrava na censura feita por alguns membros do Conselho (E também dos governos.).
Mas essas dificuldades aos poucos foram vencidas e, graças ao apoio de autores e editores, os mais diversos títulos e gêneros foram distribuídos para os soldados da Segunda Guerra Mundial. Uma prova disso é a declaração de um soldado, que Manning menciona em um dos capítulos:

Desde a infantaria aerotransportada das linhas de frente até o Corpo de Finanças da retaguarda, você encontrava rapazes lendo como jamais haviam lido antes.

Uma característica muito importante e interessante do livro é a forma como Manning narra algumas histórias, sobre como os livros ajudaram os soldados a superar as mais diversas situações estressantes e perigosas nos campos de batalha. Um exemplo que me chamou muita atenção foi o caso de um soldado raso que havia lido alguns capítulos do livro Queen Victory, mas sua unidade foi convocada para os campos de batalha repentinamente; rapidamente ele colocou seu livro no bolso. Durante a batalha, enquanto as balas “zuniam”, esse soldado começou a entrar em pânico e achou que seria seguro correr pra um lugar com arbustos e moitas, mas o que ele achava ser uma sólida barreira cedeu com seu peso e, ao aterrissar numa vala bem funda e estreita, sentiu o livro em seu bolso. Enquanto bombas eram explodidas, ele recomeçou a leitura.

O livro o acalmou e ocupou sua mente até que o bombardeio terminou, e ele pôde ser levado a um hospital. Dias depois, acamado, ele acabou de ler o livro.

Além de tudo que já mencionei, vários outros assuntos são tratados nesse livro: sexo, livros jogados no lixo, censura… Eu poderia escrever um livro (Só que não!) falando sobre como o Quando os livros foram à guerra é de suma importância para as aulas de edição, para a literatura e para a história.

Muitas informações dadas pela autora talvez sejam de conhecimento da maioria dos leitores deste texto, mas acredito que quando expostas, da forma como estão, nessa publicação maravilhosa, é que essas informações causem o impacto necessário para que os livros sejam ainda mais valorizados. A sensibilidade que as palavras de Manning “exalam” é muito tocante, contagiante!!! Isso me fez questionar (ainda mais) o motivo de muitas pessoas não reconhecerem o poder de transformação que os livros têm!

Ainda em tempo, deixo aqui duas informações muito pertinentes e que me chamaram atenção: na Alemanha, há um monumento que simboliza a queima dos milhões de livros, mas, nos EUA, não existe nenhum monumento que simbolize a importância dos livros na guerra. 

E o governo teve mais uma boa ideia: os livros agora ajudariam os veteranos enquanto eles se preparavam para retomar sua vida como civis [...]

*Bebelplatz: praça situada entre a Universidade Friederich Wilhelm e a Ópera de Berlim.
**Victory Book Day: 17 de abril de 1942, sexta-feira, foi batizada assim, com o intuito de impulsionar ainda mais as doações de livros para as instituições militares.

Ficha técnica
Título original: When books went to war
Título brasileiro: Quando os livros foram à guerra
Autor: Molly Guptill Manning
Tradução: Carlos Szlak
Este texto foi revisado por Lorena Almeida

Com carinho, Cotovia Literáira!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Proibido aos elefantes (Elefantinhos do mundo, uni-vos!)

Ensinar sobre inclusão às crianças não deve ser tarefa fácil mas, ainda mais difícil, penso eu, seja ensinar aos adultos já incutidos de preconceitos (e pré-conceitos) a lidar respeitosamente com o que é diferente pra eles. Para amenizar essas dificuldades, os livros (Sempre os livros!) são ferramentas incríveis e imprescindíveis!   Como já disse aqui outras vezes , gosto sempre de destacar a transparência e a coragem com que algumas editoras trabalham. Neste texto falarei de um livro infantil, publicado pela (super competente) Trioleca Casa Editorial .   O livro Proibido aos elefantes , assim como outras publicações da Trioleca , é uma ferramenta sensível, acolhedora e de fácil utilização para abordar temas como inclusão, amizade, medo, diferença, exclusão, solidariedade e solidão (Ficou uma listinha meio grande, mas é necessário. Eu não poderia deixar algum item desses de fora.).   Nessa história linda, escrita por Lisa Mantchev , o protagonista sente certa dificuldade em

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg

Três é demais (Será?!)

Conheci o João Marcos , autor do novo livro da Abacatte Editorial, Três é demais , no FIQ de 2018 (Festival Internacional de Quadrinhos). Ele estava autografando seus livros com o Mendê e a Tê e também desenhando outros personagens muito maravilhosos no flip chart . Fiquei encantada por saber que aqueles traços tão fortes saíram das mãos de alguém tão gentil como o João!   Com o prefácio lindamente escrito pelos irmãos Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi , o talentoso quadrinista João Marcos lança o muito divertido Três é demais - que com certeza fará muito sucesso nas bibliotecas particulares e, também, abalará as estruturas das bibliotecas escolares: história em quadrinhos, caixa alta, poucas páginas, formato gráfico excelente e miolo impresso em papel resistente.   *   Usando e abusando da criatividade dos personagens Mendelévio e Telúria, para abordar temas do cotidiano infantil, causando grande confusão na vida dos dois irmãos, o quadrinista me divertiu com seu texto e sua i