Pular para o conteúdo principal

Queria ter ficado mais (Não! Não é sobre a (bela) "Epitáfio"!)


O livro Queria ter ficado mais é uma daquelas publicações que me encantam logo de cara, por conta do projeto gráfico. Nesse caso, isso aconteceu (também) porque ele traz todas as características básicas de um livro, digamos, tradicional, mas foi publicado em formato de cartas, dispostos em envelopes lindos e (originalmente ilustrados com aquarela, por Eva Uviedo)Tudo isso com a intenção de simbolizar cartas enviadas, de longe, pelas autoras. As ilustrações são baseadas nas narrativas de cada uma delas, de forma a parecer o “caderninho delas”, e mostram ao leitor os lugares visitados, antes mesmo do início da leitura.

Esse livro, dividido em 12 capítulos não sequenciais, é um compilado de relatos sobre algumas viagens feitas pelas autoras, que foram escritos com a intenção de não serem transformados em apenas mais um livro de viagens e/ou um guia turístico convencional, mas sim,

[...] que os lugares fossem se revelando, conforme avançassem as histórias, ou seja, Como é viajar através dos olhos de uma mulher?,

como explica a organizadora do projeto (e uma das autoras), Cecilia Arbolave.

As autoras se veem diante de muitos personagens, vão descobrindo o que ouvir das pessoas durante suas experiências turísticas e tentam (Com sucesso, posso afirmar.) fazer com que isso chegue ao leitor. Pra isso, elas fogem dos relatos sobre visitas a pontos turísticos óbvios, mostrando que não há um estilo de escrita típico e estereotipadamente feminino, mas sim, diferentes olhares sobre os lugares visitados, o que acaba criando estilos diferentes de escrita, independentemente de ser feminino ou não.

Achei incrível como algumas descrições pareceram fazer com que eu sentisse o quentinho do sol da manhã italiana, o frescor da margem do rio Sena e vivesse a beleza do amanhecer de Yangshuo! São vários relatos com intensidades e abordagens diferentes sobre 12 países. A doçura de uma, não é vista na eloquência de outra; tão pouco o mistério de um romance no Japão pode ser lido na descrição de passagens pelo Oriente Médio! Pra você, leitor deste blog, minhas palavras podem beirar a obviedade, mas quando você tiver a experiência de ler e manusear esse livro lindo, que algumas pessoas que conheço chamam de “O livro das cartas”, você entenderá minha necessidade de pontuar aqui essas diferenças!

E apesar de toda minha descrição (verdadeiramente) entusiasmada, a experiência de leitura desse livro, publicado pela editora paulistana Lote 42, não fica “apenas” a cargo das narrativas... ao leitor que se permitir ver o livro (também) como objeto, essa publicação oferece ainda a experiência do manuseio das cartas, dos envelopes, da cinta que os prende firmemente... guardar as cartas de volta nos envelopes me proporcionou a sensação de fazer parte, de certo modo, de cada história que ia lendo; além disso, pra mim foi bem surpreendente a ideia de que ainda posso enviar e receber cartas! Foi estranho ter esta constatação, mesmo sabendo que existem envelopes, papel, caneta, agência dos Correios e selos. Às vezes, isso me parece um pouco distante!

São 12 estilos de texto diferentes e cada um, à sua maneira, conquistou meu coração e despertou meu interesse pelos lugares visitados e descritos com tanto carinho, saudade e intensidade. Lugares que nunca tive vontade de visitar, como Nova York, por exemplo, despertaram minha curiosidade, e entraram na “minha lista de vontades”, porque as autoras realmente foram muito incríveis com a descrição vívida de restaurantes, bairros, livrarias, até casas noturnas e repúblicas estudantis. Um deleite pra mim, que gosto de viajar mas não sou a louca das agências de turismo, e mais ainda pra quem vive com o pé na estrada!
Divirta-se e permita-se, lendo as boas histórias que o Queria ter ficado mais traz dentro de seus elegantes, lindos e ricos envelopes.

Não posso deixar de aproveitar esse finalzinho de texto pra sugerir, fortemente, que você, apaixonado por livros como eu, conheça todo o catálogo dessa editora incrível que é a Lote 42.

Ficha técnica:
Título: Queria ter ficado mais
Organização: Cecilia Arbolave
Ilustrações: Eva Uviedo
Editora: Lote 42

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Proibido aos elefantes (Elefantinhos do mundo, uni-vos!)

Ensinar sobre inclusão às crianças não deve ser tarefa fácil mas, ainda mais difícil, penso eu, seja ensinar aos adultos já incutidos de preconceitos (e pré-conceitos) a lidar respeitosamente com o que é diferente pra eles. Para amenizar essas dificuldades, os livros (Sempre os livros!) são ferramentas incríveis e imprescindíveis!   Como já disse aqui outras vezes , gosto sempre de destacar a transparência e a coragem com que algumas editoras trabalham. Neste texto falarei de um livro infantil, publicado pela (super competente) Trioleca Casa Editorial .   O livro Proibido aos elefantes , assim como outras publicações da Trioleca , é uma ferramenta sensível, acolhedora e de fácil utilização para abordar temas como inclusão, amizade, medo, diferença, exclusão, solidariedade e solidão (Ficou uma listinha meio grande, mas é necessário. Eu não poderia deixar algum item desses de fora.).   Nessa história linda, escrita por Lisa Mantchev , o protagonista sente certa dificuldade em

Três é demais (Será?!)

Conheci o João Marcos , autor do novo livro da Abacatte Editorial, Três é demais , no FIQ de 2018 (Festival Internacional de Quadrinhos). Ele estava autografando seus livros com o Mendê e a Tê e também desenhando outros personagens muito maravilhosos no flip chart . Fiquei encantada por saber que aqueles traços tão fortes saíram das mãos de alguém tão gentil como o João!   Com o prefácio lindamente escrito pelos irmãos Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi , o talentoso quadrinista João Marcos lança o muito divertido Três é demais - que com certeza fará muito sucesso nas bibliotecas particulares e, também, abalará as estruturas das bibliotecas escolares: história em quadrinhos, caixa alta, poucas páginas, formato gráfico excelente e miolo impresso em papel resistente.   *   Usando e abusando da criatividade dos personagens Mendelévio e Telúria, para abordar temas do cotidiano infantil, causando grande confusão na vida dos dois irmãos, o quadrinista me divertiu com seu texto e sua i

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg