Pular para o conteúdo principal

Sinais trocados (O chapeuzinho e a cobrinha!)



O livro Sinais trocados dos (super) artistas premiados Leo Cunha e Gustavo Piqueira (autor e ilustrador, respectivamente), é curtinho e traz em seu miolo ferramentas que podem, facilmente, serem utilizadas no suporte do ensino de acentuação, variação e formação de palavras e, também, podem estimular a criatividade do leitor.

Esse livro, que brinca com a acentuação e com a formação de palavras de forma muito original, foi impresso em caixa baixa (mas com fontes em tamanhos bem visíveis) e, segundo informação da Editora Gaivota, é indicado para leitores em processo (a partir de 7 anos) e para leitura compartilhada (para crianças a partir de 5 anos). É claro que ele pode ser utilizado por outras idades! Penso que ele pode ser utilizado, principalmente, como suporte para estudantes do EJA (Educação de Jovens e Adultos), porque é um material diferente, chamativo... Não é monótono, bobo!

É um livro com histórias diferentes, contadas em versos e prosa muito divertidos, através de um texto que leva longe a imaginação e a criatividade. As poesias, que contam histórias do acento circunflexo e do til, foram escritas com rimas fáceis e ricas que auxiliam, junto com as ilustrações, na criação de um vocabulário diversificado, de forma mais dinâmica e criativa.


Nessa publicação as ilustrações, assim como o texto, são imprescindíveis, porque são elas que ajudam o texto a ganhar vida na imaginação do leitor. Gustavo Piqueira lança mão de desenhos simples, limpos e muito criativos que não confundem a leitura e, desta forma, facilitam as associações que o leitor pode fazer com seu cotidiano.

O excelente projeto gráfico foi criado pela Casa Rex e, sem dúvida alguma, colabora muito para que esse livro se destaque e auxilie, ainda mais, pais e professores a estimularem a imaginação e criatividade dos futuros leitores apaixonados!

À Editora Gaivota, meus sinceros agradecimentos por mais essa publicação linda, responsável e de qualidade! Não me canso de mencionar que ela faz parte do “grupo” de editoras que se preocupam com o que vai parar nas bibliotecas públicas e particulares!

Não pare, ok?! Precisamos de editoras como você! Agora, mais do que nunca!

Ficha técnica
Título: Sinais Trocados
Autor: Leo Cunha
Ilustrador: Gustavo Piqueira
Projeto Gráfico: Casa Rex


Este texto foi revisado por Lorena Venâncio.

Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

  1. The Best Casinos and Slot Machines - MapyRO
    1. Casinos Near Me 안성 출장안마 · 원주 출장샵 2. Casinos Near Me · 3. 김포 출장안마 Casinos Near You · 4. Casinos Near You · 5. 포항 출장안마 Casinos Near You · 6. Casinos 의정부 출장안마 Near You. · 7. Casinos Near Me

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Fique à vontade, mas não muito!

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg

A praia dos inúteis (Que inutilidade útil!)

Mais um texto sobre um livro da Editora Biruta que, com certeza, precisa habitar, também, as prateleiras das bibliotecas escolares. No livro que esse texto aborda, há uma luta, quase subliminar, a favor das ciências das artes e do respeito ao Outro. Há nele também, uma abordagem direta sobre permitir que o   Outro seja quem ele é... não menos importante, o autor, Alex Nogués , traz em seu texto questionamentos sobre a diferença entre custo e valor. Por sua vez, a ilustradora Bea Enríquez , presenteia o leitor com seu belíssimo trabalho (Originalmente em aquarela? Acho que é!) que, como diria minha avó, “faz pareio” com a belíssima narrativa, principalmente ao traduzir a personalidade de Sofia! Adulto, querido, leia o brilhante A praia dos inúteis , e o faça antes de destiná-lo à sua criança! Você merece isso!   *   A Sofia, caro leitor, é uma personagem adorável, que te faz querer parar e pensar sobre a vida da maneira mais leve possível! Ela tem onze anos e meio e, em uma de