Pular para o conteúdo principal

Sinais trocados (O chapeuzinho e a cobrinha!)



O livro Sinais trocados dos (super) artistas premiados Leo Cunha e Gustavo Piqueira (autor e ilustrador, respectivamente), é curtinho e traz em seu miolo ferramentas que podem, facilmente, serem utilizadas no suporte do ensino de acentuação, variação e formação de palavras e, também, podem estimular a criatividade do leitor.

Esse livro, que brinca com a acentuação e com a formação de palavras de forma muito original, foi impresso em caixa baixa (mas com fontes em tamanhos bem visíveis) e, segundo informação da Editora Gaivota, é indicado para leitores em processo (a partir de 7 anos) e para leitura compartilhada (para crianças a partir de 5 anos). É claro que ele pode ser utilizado por outras idades! Penso que ele pode ser utilizado, principalmente, como suporte para estudantes do EJA (Educação de Jovens e Adultos), porque é um material diferente, chamativo... Não é monótono, bobo!

É um livro com histórias diferentes, contadas em versos e prosa muito divertidos, através de um texto que leva longe a imaginação e a criatividade. As poesias, que contam histórias do acento circunflexo e do til, foram escritas com rimas fáceis e ricas que auxiliam, junto com as ilustrações, na criação de um vocabulário diversificado, de forma mais dinâmica e criativa.


Nessa publicação as ilustrações, assim como o texto, são imprescindíveis, porque são elas que ajudam o texto a ganhar vida na imaginação do leitor. Gustavo Piqueira lança mão de desenhos simples, limpos e muito criativos que não confundem a leitura e, desta forma, facilitam as associações que o leitor pode fazer com seu cotidiano.

O excelente projeto gráfico foi criado pela Casa Rex e, sem dúvida alguma, colabora muito para que esse livro se destaque e auxilie, ainda mais, pais e professores a estimularem a imaginação e criatividade dos futuros leitores apaixonados!

À Editora Gaivota, meus sinceros agradecimentos por mais essa publicação linda, responsável e de qualidade! Não me canso de mencionar que ela faz parte do “grupo” de editoras que se preocupam com o que vai parar nas bibliotecas públicas e particulares!

Não pare, ok?! Precisamos de editoras como você! Agora, mais do que nunca!

Ficha técnica
Título: Sinais Trocados
Autor: Leo Cunha
Ilustrador: Gustavo Piqueira
Projeto Gráfico: Casa Rex


Este texto foi revisado por Lorena Venâncio.

Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Proibido aos elefantes (Elefantinhos do mundo, uni-vos!)

Ensinar sobre inclusão às crianças não deve ser tarefa fácil mas, ainda mais difícil, penso eu, seja ensinar aos adultos já incutidos de preconceitos (e pré-conceitos) a lidar respeitosamente com o que é diferente pra eles. Para amenizar essas dificuldades, os livros (Sempre os livros!) são ferramentas incríveis e imprescindíveis!   Como já disse aqui outras vezes , gosto sempre de destacar a transparência e a coragem com que algumas editoras trabalham. Neste texto falarei de um livro infantil, publicado pela (super competente) Trioleca Casa Editorial .   O livro Proibido aos elefantes , assim como outras publicações da Trioleca , é uma ferramenta sensível, acolhedora e de fácil utilização para abordar temas como inclusão, amizade, medo, diferença, exclusão, solidariedade e solidão (Ficou uma listinha meio grande, mas é necessário. Eu não poderia deixar algum item desses de fora.).   Nessa história linda, escrita por Lisa Mantchev , o protagonista sente certa dificuldade em

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a