Pular para o conteúdo principal

Sinais trocados (O chapeuzinho e a cobrinha!)



O livro Sinais trocados dos (super) artistas premiados Leo Cunha e Gustavo Piqueira (autor e ilustrador, respectivamente), é curtinho e traz em seu miolo ferramentas que podem, facilmente, serem utilizadas no suporte do ensino de acentuação, variação e formação de palavras e, também, podem estimular a criatividade do leitor.

Esse livro, que brinca com a acentuação e com a formação de palavras de forma muito original, foi impresso em caixa baixa (mas com fontes em tamanhos bem visíveis) e, segundo informação da Editora Gaivota, é indicado para leitores em processo (a partir de 7 anos) e para leitura compartilhada (para crianças a partir de 5 anos). É claro que ele pode ser utilizado por outras idades! Penso que ele pode ser utilizado, principalmente, como suporte para estudantes do EJA (Educação de Jovens e Adultos), porque é um material diferente, chamativo... Não é monótono, bobo!

É um livro com histórias diferentes, contadas em versos e prosa muito divertidos, através de um texto que leva longe a imaginação e a criatividade. As poesias, que contam histórias do acento circunflexo e do til, foram escritas com rimas fáceis e ricas que auxiliam, junto com as ilustrações, na criação de um vocabulário diversificado, de forma mais dinâmica e criativa.


Nessa publicação as ilustrações, assim como o texto, são imprescindíveis, porque são elas que ajudam o texto a ganhar vida na imaginação do leitor. Gustavo Piqueira lança mão de desenhos simples, limpos e muito criativos que não confundem a leitura e, desta forma, facilitam as associações que o leitor pode fazer com seu cotidiano.

O excelente projeto gráfico foi criado pela Casa Rex e, sem dúvida alguma, colabora muito para que esse livro se destaque e auxilie, ainda mais, pais e professores a estimularem a imaginação e criatividade dos futuros leitores apaixonados!

À Editora Gaivota, meus sinceros agradecimentos por mais essa publicação linda, responsável e de qualidade! Não me canso de mencionar que ela faz parte do “grupo” de editoras que se preocupam com o que vai parar nas bibliotecas públicas e particulares!

Não pare, ok?! Precisamos de editoras como você! Agora, mais do que nunca!

Ficha técnica
Título: Sinais Trocados
Autor: Leo Cunha
Ilustrador: Gustavo Piqueira
Projeto Gráfico: Casa Rex


Este texto foi revisado por Lorena Venâncio.

Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Proibido aos elefantes (Elefantinhos do mundo, uni-vos!)

Ensinar sobre inclusão às crianças não deve ser tarefa fácil mas, ainda mais difícil, penso eu, seja ensinar aos adultos já incutidos de preconceitos (e pré-conceitos) a lidar respeitosamente com o que é diferente pra eles. Para amenizar essas dificuldades, os livros (Sempre os livros!) são ferramentas incríveis e imprescindíveis!   Como já disse aqui outras vezes , gosto sempre de destacar a transparência e a coragem com que algumas editoras trabalham. Neste texto falarei de um livro infantil, publicado pela (super competente) Trioleca Casa Editorial .   O livro Proibido aos elefantes , assim como outras publicações da Trioleca , é uma ferramenta sensível, acolhedora e de fácil utilização para abordar temas como inclusão, amizade, medo, diferença, exclusão, solidariedade e solidão (Ficou uma listinha meio grande, mas é necessário. Eu não poderia deixar algum item desses de fora.).   Nessa história linda, escrita por Lisa Mantchev , o protagonista sente certa dificuldade em

Covardes, abusadores e Barões: uma leitura de Leila

Uma criança de dez anos de idade com a altura de uma criança de quatro anos, um adulto com sua autoestima negativamente afetada e com dificuldade para relações interpessoais e para demonstrar seus sentimentos. Esses e uma infinidade de outros traumas podem ser listados como resultantes do abuso sexual. Quantos adultos que conhecemos tiveram suas infâncias violadas por familiares ou amigos próximos e “confiáveis”? Estamos no século XXI e ainda é comum sabermos sobre relatos e denúncias de abuso sexual infantil. Mesmo em tempos modernos, crianças continuam sendo violentadas. Diante disso, surgem questionamentos sobre como alertar os pequenos, protegê-los e também educá-los a não violar. Algumas publicações editoriais, como Não me toca, seu boboca ( Andrea Viviana Taubman; Editora Aletria; 2017 ) e Você é dono do seu corpo (Cornelia Maude Spelman), são populares quando buscamos algum auxílio literário para esses questionamentos, com direcionamento para crianças na fase da prime

Queria ter ficado mais (Não! Não é sobre a (bela) "Epitáfio"!)

O livro Queria ter ficado mais é uma daquelas publicações que me encantam logo de cara, por conta do projeto gráfico. Nesse caso, isso aconteceu (também) porque ele traz todas as características básicas de um livro, digamos, tradicional, mas foi publicado em formato de cartas, dispostos em envelopes lindos e (originalmente ilustrados com aquarela, por Eva Uviedo ) .  Tudo isso com a intenção de simbolizar cartas enviadas, de longe, pelas autoras. As ilustrações são baseadas nas narrativas de cada uma delas , de forma a parecer o “caderninho delas ”, e mostram ao leitor os lugares visitados, antes mesmo do início da leitura. Esse livro, dividido em 12 capítulos não sequenciais, é um compilado de relatos sobre algumas viagens feitas pelas autoras, que foram escritos com a intenção de não serem transformados em apenas mais um livro de viagens e/ou um guia turístico convencional, mas sim, [...] que os lugares fossem se revelando, conforme avançassem as histórias , ou seja,