Pular para o conteúdo principal

Terra das Mulheres (Maravilha!)


A edição original do livro Terra das mulheres, publicado pela primeira vez em 1915, foi fonte de inspiração para “o criador de Mulher-Maravilha e suas amazonas” e é, no mínimo, impactante. Mas o prefácio da edição brasileira, publicada pela Editora Rosa dos Tempos, me deu a impressão de que a distopia da autora inglesa, Charlotte Perkins Gilman (Que também é autora do livro Papel de parede amarelo.), não seria daquelas de tirar o fôlego, porque questiona pontos que são justificáveis, não só pela época (Antes da década de 1920.), mas também pela própria narrativa de Gilman.
O fato é que me enganei e a ressaca literária me ataca até o momento em que publico este texto.


[...] não existe horror absoluto, assim como não existe paraíso absoluto que satisfaça a todos, o que torna Charlotte Perkins Gilman [...], uma ficcionista de coragem ao ousar tocar em um dos temas mais difíceis que o gênero literário pode abordar: a igualdade.


Meu conselho é que você não comece a ler esse livro esperando por aventuras incríveis e momentos de tensão, porque não encontrará. Você encontrará um prefácio curioso e, as mais de duzentas páginas que o seguem, apresentam narrativa feita por um homem heterossexual, sobre uma terra onde a população é estrita e naturalmente feminina desde dois mil anos antes.

Um matriarcado em perfeito estado de funcionamento (Em minha opinião!), baseado no socialismo utópico e flertando com o comunismo e o protestantismo:


[...] Lançado dois anos antes da revolução Russa, a narrativa ousa flertar com uma ideia de socialismo utópico, [...] fundada principalmente na ideia do trabalho, da cidade-trabalhadora e da cooperação, num crossover muito inventivo entre o comunismo e o protestantismo.


Abordagens muito interessantes sobre maternidade, sexualidade e educação, entre tantos outros aspectos, são propostas e bem feitas por Gilman. Agora, percebo que essas abordagens vão muito de encontro com o que Betty Friedan propõe no fabuloso, A Mística Feminina (Rosa dos Tempos; 2020), como a obrigatoriedade das funções (Cof! Cof!) femininas, por exemplo.

 [...] bebês nascem por geração espontânea, unicamente por meio do desejo das mulheres que lá vivem.


Ou seja, as mulheres, dessa terra incrível, só se tornam mães se assim o desejarem; não há gravidez não planejada! Por isto, acredito que o aborto nessa terra não seja cogitado.

[...] elas eram Mães, não no nosso sentido de fecundidade involuntária, forçadas a preencher e transbordar a terra [...]; mas no sentido de Geradoras Conscientes de Pessoas.


O assunto sobre maternidade espontânea é retomado inúmeras vezes durante a narrativa, principalmente quando o personagem-narrador, o explorador Vandyck Jennings, expõe seus questionamentos a respeito do papel masculino vs. papel feminino naquela comunidade, conversando com as guias daquela expedição. A ideia de que um número considerável de mulheres não precisavam de homens para se organizarem no sentido sexual, social e educacional, perturba esse personagem muito claramente.


A tradição de homens como guardiões e protetores havia desaparecido. Essas virgens não temiam homem algum e, portanto, não precisavam de proteção.


Aquelas mulheres se organizaram de forma muito eficiente, principalmente no sentido educacional; ao ler a descrição do sistema de educação daquela Terra, imediatamente me lembrei do método Paulo Freire: dinâmico, eficiente e cidadão.
-[...] Nossos melhores esforços, ao longo de toda a infância e juventude, são para desenvolver estas faculdades: julgamento individual e força de vontade. 
-Como parte do sistema educacional? 
-Exatamente. A parte mais valiosa. 


Um livro com excelente abordagem sobre temas que para sociedade atual são considerados comuns, mas que para a época da publicação (Lembrando: antes da década de 1920!) eram considerados vanguardistas. Penso que, precisar abordar tão urgentemente esses assuntos, como precisamos fazer atualmente, é no mínimo para deixar nossos cabelos em pé e nos abatermos pela mesma vergonha e tristeza que o narrador Van foi abatido, ao ter que mencionar à população da Terra das Mulheres alguns de nossos problemas e defeitos relacionados à condição social das mulheres em nossa “terra”:

[...] As rachaduras e os problemas insolúveis de Terra das mulheres são um terreno fértil que nos permite sonhar com novas utopias, assim como Charlotte Perkins Gilman ousou sonhar um dia.


Mas é pra isso que servem os livros, não é mesmo?! Para nos fazer evoluir e repensar “a vida, o universo e tudo mais”...

Ficha técnica:
Título original: Herland
Título brasileiro: Terra das Mulheres
Autor: Charlotte Perkins Gilman
Tradução: Flávia Yacuban


Com carinho, Cotovia Literária!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os machões dançaram (E bem mal, hein?!)

Mulher é minha causa. Mulher é meu dogma. Mulher sempre foi minha cachaça e meu comunismozinho.   No livro final da trilogia “Modos de macho & modinhas de fêmea” Xico Sá publica crônicas inéditas e também crônicas já reproduzidas no jornal El País e Folha de São Paulo. São crônicas sobre amor e sexo, que a maioria das pessoas podem julgar terem sido escritas para o público feminino. Mas se o público masculino se aventurasse nas leituras dessas crônicas, teriam muito a aprender, hein?!   O livro é uma afronta ao machismo e uma apologia à liberdade de amar, à sensibilidade e, principalmente, à mulher! Não, não é a sensibilidade de chorar por tudo, de mimimi… é sensibilidade no olhar, no tocar, no não tocar...   Em uma das primeiras crônicas, ele elogia Clint Eastwood (Quando a foto foi publicada, em 2012, o ator tinha 82 anos.), por recusar o uso de photoshop em sua foto na capa da revista “M” (Suplemento do jornal francês “Le Monde”). Na mesma crônica, ele menciona a

A sociedade literária e a torta de casca de batata (Entre porcos e livros!)

  Eu jamais iria ridicularizar alguém que gostasse de ler. (Juliet para Amelia)   A sociedade literária e a torta de casca de batata é um desses livros do qual, não quero me separar. Quero andar com ele pra cima e pra baixo, não importando se ainda há páginas para serem lidas ou não.   As autoras Mary Ann Shaffer e Annie Barrows contam a história de Juliet Ashton, uma escritora inglesa que está em turnê de divulgação do seu último livro, logo após a Segunda Guerra Mundial, e que está em crise existencial (Dito assim parece clichê, mas é muito mais profundo do que consigo transcrever aqui no texto.).   O livro traz um compilado de cartas trocadas entre a escritora inglesa e alguns personagens da trama, principalmente Dawsey Adams, Sidney e Sophie. Dawsey é um fazendeiro na Ilha de Guernsey que, durante a ocupação alemã, adquiriu um livro que foi de Juliet e que na contracapa trazia o endereço antigo dela. Dawsey enviou uma carta pro tal endereço pedindo recomendação de alg

A praia dos inúteis (Que inutilidade útil!)

Mais um texto sobre um livro da Editora Biruta que, com certeza, precisa habitar, também, as prateleiras das bibliotecas escolares. No livro que esse texto aborda, há uma luta, quase subliminar, a favor das ciências das artes e do respeito ao Outro. Há nele também, uma abordagem direta sobre permitir que o   Outro seja quem ele é... não menos importante, o autor, Alex Nogués , traz em seu texto questionamentos sobre a diferença entre custo e valor. Por sua vez, a ilustradora Bea Enríquez , presenteia o leitor com seu belíssimo trabalho (Originalmente em aquarela? Acho que é!) que, como diria minha avó, “faz pareio” com a belíssima narrativa, principalmente ao traduzir a personalidade de Sofia! Adulto, querido, leia o brilhante A praia dos inúteis , e o faça antes de destiná-lo à sua criança! Você merece isso!   *   A Sofia, caro leitor, é uma personagem adorável, que te faz querer parar e pensar sobre a vida da maneira mais leve possível! Ela tem onze anos e meio e, em uma de